RELEVÂNCIA DAS COLEÇÕES CIENTÍFICAS COMO UM BANCO DE DADOS E SUA CURADORIA, COM ÊNFASE PARA A COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA DE SANTA CRUZ DO SUL, BRASIL

Danieli Luiza Breunig, Andreas Köhler

Resumo


Devido à grande biodiversidade e a influência que os insetos desempenham em nosso planeta, é imprescindível que haja estudos científicos sobre estes, a fim de analisar as relações que eles exercem com o homem e o meio ambiente. Para a utilização das informações a respeito de qualquer grupo de organismo, incluindo-se os insetos, torna-se fundamental a existência de coleções científicas. Os dados contidos nessas coleções, quando organizados, fornecem informações cruciais para vários estudos, tais como: padrões de distribuição, ciclos biológicos, controle de pragas e mudanças ambientais. A Coleção Entomológica de Santa Cruz do Sul (CESC) foi instituída em 2001, e representa hoje um dos únicos acervos entomológicos significativos da região central do Estado do Rio Grande do Sul. Objetivou-se com este trabalho melhorar a organização da CESC para a conservação do material existente, bem como classificar taxonomicamente os novos espécimes coletados, incluindo os dados no catálogo digital da coleção e depositá-los com suas devidas identificações. O material armazenado em álcool na CESC foi coletado principalmente com o auxílio de armadilhas do tipo Malaise, Pit-fall, e Funil de Berlese. Em laboratório, identificaram-se as amostras a nível taxonômico de ordem e em alguns casos até espécie, estas foram etiquetadas, tombadas, armazenadas com seus respectivos dados e preservadas em solução de álcool 70%. Para a coleção em seco, as coletas realizaram-se com rede entomológica e posteriormente, foram transferidas para um recipiente contendo papel absorvente umedecido com Acetato de Etila, produto utilizado para abater insetos a seco. Após este processo, efetuou-se a montagem dos indivíduos em alfinetes entomológicos, seguido da desidratação em estufa, para finalmente identificá-los, tombá-los e acondicioná-los em gavetas entomológicas de madeira contendo cravo e naftalina, garantindo a conservação do acervo biológico acumulado ao longo dos anos. Atualmente, a Coleção Entomológica compõe-se de 3.669.211 exemplares depositados em álcool, devidamente tombados em 77.345 lotes e distribuídos em 29 táxons, sendo que as ordens mais representativas compreendem Hymenoptera com 31% dos exemplares tombados, Diptera com 21% e Coleoptera com 20%, seguido das demais ordens com 28%. A coleção em meio seco abriga um total de 40.109 exemplares, classificados em 24 táxons, dos quais prevalecem numericamente os grupos de Hymenoptera com 60% dos exemplares, Diptera com 25% e Coleoptera com 6%, seguindo-se as demais ordens com 9%. A CESC também conta com dois holótipos tombados, Zamischus aquilesi (Figitidae) e Dendrocerus riograndensis (Megaspilidae) são as novas espécies descritas para a região de Santa Cruz do Sul, sendo que esta última possui vários parátipos. Ambas foram coletadas junto a projetos desenvolvidos no Laboratório de Zoologia da UNISC. Assim, comprova-se a importância das coleções científicas como um banco de dados e sua curadoria, pois torna acessível o material referencial para estudos taxonômicos, de controle biológico e compreensão de impactos ambientais. Além disso, serve como suporte indispensável para pesquisas desenvolvidas na UNISC ou em outras entidades nacionais e internacionais que solicitam o empréstimo do material para seus estudos.

 


Apontamentos

  • Não há apontamentos.