POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: EXPERIÊNCIAS COM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

Daniela Porto Giacomelli, Letícia Dalla Costa

Resumo


O histórico das políticas sociais brasileiras apresenta uma tradição assistencialista significativa. Ao longo dos anos, diversos movimentos surgiram a fim de romper com essa lógica e garantir direitos básicos à população. Visando, assim, que seja responsabilidade do Estado assegurar a implementação de tais políticas. Nesse sentido, no âmbito da Assistência Social, em 2005, foi regulamentada o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) - atualmente, um dos principais campos de trabalho para os profissionais da Psicologia. Trata-se de uma esfera de atuação com contornos recentemente delineados e, por isso, é necessário aumentar o engajamento com a área desde o início da graduação profissional. No entanto, percebe-se que ainda há fragilidade nos cursos de graduação em Psicologia quando o foco é Assistência Social. A partir da experiência de formação universitária como psicólogas das autoras, bem como a participação em uma atividade extracurricular, este relato de experiência busca refletir sobre a maneira como a formação de psicólogas está ocorrendo nessa área, com ênfase no SUAS. Compreendeu-se que, apesar da demanda, nossa graduação em Psicologia ainda não oferece requisitos básicos para atuação no SUAS. Desse modo, buscar informações dessa área ocorre via atividades fora da grade curricular obrigatória. Atividades extracurriculares como a participação em grupos de estudo, projetos de pesquisa/extensão e a participação em eventos são de suma importância. O aprendizado que estes propiciam é bastante interessante, mas desejamos que a capacitação para um campo tão vasto para a profissão não permaneça apenas a cargo da busca das estudantes.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.