“O CONTO DA AIA” – QUANDO REALIDADE E FICÇÃO APROXIMAM-SE: MINISTÉRIO DA MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS E AS IMPLICAÇÕES DO ANTIFEMINISMO NA POLÍTICA BRASILEIRA

Gabriela Felten da Maia, Nicole Garske Weber

Resumo


O cenário político brasileiro e a ascensão da obra O Conto da Aia, de Margaret Atwood, casam perfeitamente neste momento. O entrelaçamento da ascensão de grupos de extrema direita ultraconservadores na política, com uma ministra pastora apropriada de um discurso machista e fundamentalista, embasada pelo ‘divino’ e justificando sua capacidade com ‘mestrados bíblicos’, promete ser o grande alerta de despertar à vigilância pelos direitos conquistados pelo movimento feminista. Na primeira parte do presente artigo, vislumbra-se a postura do antifeminismo pela política de extrema direita, enquanto na segunda parte expõe-se a metamorfose do Ministério de Direitos Humanos, bem como na terceira reflete-se acerca de Damares e as implicações do discurso político-teológico na política para mulheres. Adotou-se uma abordagem histórica-crítica e a técnica de pesquisa bibliográfica e documental. Conclui-se que é de um retrocesso e contradições inegáveis a manutenção de discursos antifeministas, ao que tange a mulher brasileira no espaço público. Remeter à mulher ao ambiente privado é negar-lhe a igualdade, autonomia, liberdade e proteção.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.