Instituições de ensino superior comunitárias: questões atuais

Helio Radke Bittencourt, Alziro César de Morais Rodrigues, Alam de Oliveira Casartelli, Gustavo Inácio de Moraes, Gabriela Ludwig Guerra

Resumo


Desde 2010, as instituições de ensino superior (IES) brasileiras comunitárias deixaram de figurar oficialmente nas sinopses e microdados do INEP sob essa denominação, com a extinção da categoria “comunitárias, confessionais e filantrópicas”. Desde então, as IES brasileiras privadas são classificadas conforme sua natureza jurídica: com ou sem fins lucrativos. A recente expansão da rede federal e de IES com fins lucrativos tem afetado diretamente as até então denominadas comunitárias, que possuem características diferenciadas em relação às IES privadas com fins lucrativos bem como as de ensino público. Neste artigo analisam-se dados e aspectos contemporâneos relacionados ao novo cenário da educação superior brasileira, com especial enfoque nas IES integrantes da Associação Brasileira de Universidades Comunitárias (ABRUC), tendo-se constatado melhor desempenho destas na comparação com as IES privadas com fins lucrativos. Os resultados obtidos, aliados ao impacto regional das IES comunitárias, justificam a valorização dessas instituições que operam e contribuem para a consolidação dos cursos superiores no Brasil.

Palavras-chave


Universidades comunitárias; instituições de ensino superior; educação superior

Texto completo:

ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v19i3.3567

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo