PENSAR A FORMAÇAO DE PROFESSORES DESDE A EXPERIÊNCIA E DESDE O MENOR DA FORMAÇAO.

Anelice Ribetto

Resumo


Esse ensaio trata da possibilidade de pensar naquilo que –talvez- acontece quando ousamos pensar a formação de professores desde a experiência – e não como experimento- ou, talvez, quando nos atrevemos a pensar esse território como um espaço menor, um espaço de resistência e de desconstrução de um suposto campo maior, o campo da Formação de Professores. Essa formação –menor- como uma possibilidade de aprender a ler sem saber ler, ou de aprender de ouvidos... uma formação que não se sabe antes do encontro... uma formação como alteridade, como aquilo no qual entramos sem saber o que vamos encontrar apreender, ler, escrever... como aquilo que nos transforma –no sentido da metamorfose e não da metástase. A formação como uma possibilidade de estar juntos, como a possibilidade de convivência, mas, uma convivência que não aponte necessariamente para uma harmonia, uma evitação de conflitos, um acordo instantâneo, uma plena satisfação... mas, tal vez, um estar que seja pura ambigüidade.

Palavras-chave


experiência, formação de professores, alteridade, convivência, formação menor

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i2.2068

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo