A poeticidade das coisas simples revelada em O fazedor de amanhecer

Sandra Regina Tornquist, Flávia Brocchetto Ramos

Resumo


O presente estudo tem como objetivo analisar o livro O fazedor de amanhecer, de Manoel de Barros, que integra o acervo do Programa Nacional da Biblioteca Escolar (PNBE/2010) e cuja poesia se constrói por meio da revelação daquilo que tende a ser rejeitado ou ignorado pela percepção humana. Na obra, seres como grilos, moscas e sapos ganham importância, assumindo lugar de destaque. Desenvolvido com base na análise descritiva, por meio de pesquisa bibliográfica, o estudo apresenta, num primeiro momento, considerações sobre a importância da leitura na vida do ser humano, passando a enfocar, em seguida, peculiaridades da poesia, que propicia ao leitor uma experiência diferenciada, atingindo o imaginário, através das imagens poéticas. Com base nessa reflexão teórica, é focado o texto poético da obra, com vistas a revelar como o simples e muitas vezes julgado sem importância torna-se rico em poeticidade através da linguagem, possibilitando ao leitor a criação de uma nova visão acerca do seu entorno.

Palavras-chave


Poesia. Leitura. Leitor iniciante. PNBE 2010.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v37i62.2290

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo