Riqueza de formigas na serapilheira do Parque Estadual Parrot Charão, Rio Grande do Sul, Brasil.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/cp.v32i1.14501

Resumo

A fragmentação conduz à perda de espécies nas comunidades biológicas, o que faz com que a seja considerada uma das maiores ameaças à biodiversidade. As formigas, presentes em praticamente todos ambientes terrestres, contribuem para o equilíbrio dos ecossistemas. O nosso objetivo foi verificar se existem diferenças na composição de formigas de serrapilheira em um gradiente da borda para o centro do fragmento. O estudo foi realizado num Parque, pertencente ao Bioma Mata Atlântica. Selecionamos cinco áreas, iniciando da borda do fragmento ao centro, para a instalação dos coletores de insetos de solo (pitfall). Em cada área dispomos quatro conjuntos contendo três coletores, totalizando 60 amostragens. Cada área se distanciou 100 m da outra. Dispomos, em cada área, aleatoriamente 10 amostradores para a coleta da serrapilheira. Registramos 549 formigas, distribuídas em 34 espécies e em seis subfamílias. Myrmicinae apresentou maior riqueza e abundância. A predominância funcional foi de espécies onívoras. A composição de espécies diferiu entre as áreas amostradas, entretanto a serrapilhaira não diferiu. Maior riqueza e abundância de espécies relacionadas a áreas perturbadas pode ser um indicador do estado de conservação da área de estudo.

Biografia do Autor

Carla Denise Tedesco, UNIVERSIDADE DEPASSO FUNDO. PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM CIENCIAS AMBIENTAIS

Bióloga Profa do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais

Noeli Zanella, Universidade de Passo Fundo Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais

Bióloga Profa do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais

Caroline da Silva Ribeiro, Universidade de Passo Fundo

Bióloga

Lisete Maria Lorini, Universidade de Passo Fundo Programa de Pós Graduação em ciências Ambientais

Bióloga Profa do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais

Downloads

Publicado

2021-07-07

Edição

Seção

Artigos