Duração do aleitamento materno e o excesso de peso

Vanessa Minossi, Suziane Maria Marques Raupp, Rita Timmers Townsend, Maria Lucia Rodrigues Lopes

Resumo


Objetivo: Investigar a prevalência de excesso de peso e sua associação com a duração da amamentação. Método: Estudo transversal com 106 pré-escolares de Porto Alegre/RS. Realizou-se avaliação antropométrica e classificação do estado nutricional. Utilizou-se Teste Qui-quadrado e Curva de Kaplan-Meier para avaliar tempo de aleitamento materno (AM). Resultados: Na amostra, 55,6% (59) eram meninos. A classificação do estado nutricional foi realizada conforme escore-Z para os índices peso/idade (P/I), peso/estatura (P/E) e índice de massa corporal/idade (IMC/I), sendo a prevalência do excesso de peso 9,4% (10), 36% (36) e 38,7% (41), respectivamente. Quanto à amamentação, 69,8% (74) receberam AM até o 6º mês. Observou-se que 38,6% (41) dos pré-escolares que interromperam precocemente a amamentação exclusiva (AME ≤ 6 meses) apresentavam excesso de peso, verificando-se frequência levemente maior desse excesso (40%, n=2) entre os que não interromperam. Em relação ao excesso de peso entre crianças que interromperam precocemente o AM, constatou-se frequência pouco maior (45,2%, n=19), entre as que não interromperam, sem significância estatística entre a duração do AME e do AM e o excesso de peso. Conclusão: Concluiu-se que a prevalência de excesso de peso na amostra, foi elevada. Isso pode ser um reflexo do tempo insuficiente de AME e AM, demonstrado na curva de Kaplan-Meier.

Palavras-chave


Sobrepeso; Obesidade; Estado nutricional; Pré-escolares

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v14i1.3442

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo