Estágios de mudança de comportamento para a prática de atividades físicas e indicadores de obesidade em professores universitários

Autores

  • Luana Loss Cabral
  • Denis Antônio Figueredo Diesel
  • Timothy Gustavo Cavazzotto
  • Sandra Aires Ferreira
  • Marcos Roberto Queiroga

DOI:

https://doi.org/10.17058/cinergis.v14i4.4132

Palavras-chave:

Inatividade Física, Estágios de Prontidão, Modelo Transteorético, Docentes Universitários

Resumo

Objetivo: verificar o comportamento para a prática de atividade física (AF) e seu impacto nos indicadores antropométricos de obesidade em professores universitários. Método: oitenta docentes foram selecionados aleatoriamente (40 homens e 40 mulheres) e após o auto relato da massa corporal (MC) e da estatura, o Índice de Massa Corporal (IMC) foi determinado e utilizado como indicador de obesidade. A medida de circunferência da cintura (CC) foi empregada como indicador de adiposidade abdominal e o comportamento para a atividade física foi definido a partir dos estágios de mudança de comportamento (EMC). Resultados: os dados indicaram uma maior prevalência das professoras do que dos professores para inatividade física. Entretanto, enquanto a maioria dos homens foi classificada na faixa de sobrepeso, as mulheres foram classificadas na faixa de normalidade para o IMC. E para a distribuição de adiposidade identificada pela CC, aproximadamente 18% das mulheres e 20% dos homens demonstraram valores superiores daqueles desejados para a saúde. Considerações finais: o EMC teve um impacto nos indicadores antropométricos de obesidade somente para o sexo masculino.

Downloads

Publicado

2014-08-06

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL