Câncer do colo de útero: efeitos do tratamento

Letícia Fernandez Frigo, Simone de Oliveira Zambarda

Resumo


O Câncer incide sobre a população de forma avassaladora, em função da transição demográfica, bem como do aumento da exposição da população a agentes cancerígenos no meio ambiente. O câncer de colo de útero é a segunda neoplasia mais comum entre as mulheres. As modalidades terapêuticas, no decorrer de suas aplicações, levam a diversas disfunções uroginecológicas consequentes dos procedimentos cirúrgicos e demais terapias. Objetivo: investigar a ocorrência de disfunções uroginecológicas, após o tratamento do câncer de colo de útero. Método: a pesquisa desenvolvida foi do tipo, descritiva com abordagem quantitativa, sendo do tipo não probabilística acidental. Participaram da pesquisa nove mulheres no período climatérico, que realizaram tratamento do câncer do colo de útero cirúrgico ou conservador há, no máximo, cinco anos. Foi aplicado a ficha de avaliação e o inventário de satisfação sexual. Resultado: verificou-se, através dos dados, que a radioterapia foi o tratamento mais utilizado entre as participantes. Pode-se verificar que o Câncer de colo de útero acarreta algumas disfunções uroginecológica em mulheres portadoras desta patologia. Considerações finais: neste estudo, pode-se analisar os efeitos que o Câncer de colo de útero acarretou nas participantes desta pesquisa, ocasionando algumas disfunções como dispareunia, estenose, vaginismo, diminuição da lubrificação, incontinência urinária, incontinência fecal e linfedema.

Palavras-chave


Neoplasias do Colo do Útero; Neoplasia intraepitelial cervical; Antineoplásicos; Radioterapia; Dispareunia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v16i3.6211

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo