Avaliação da frequência de incontinência urinária em jogadoras de voleibol amadoras de Santa Maria-RS

Letícia Fernandez Frigo, Daiane Fontana Bordin, Caio Alexandre Parra Romeiro

Resumo


As mulheres estão praticando voleibol com vistas a um corpo saudável e buscando melhorar a qualidade de vida e bem estar físico, porém, se não orientadas corretamente, podem desenvolver fraquezas e disfunções pélvicas. Objetivo: este estudo teve como objetivo avaliar a frequência de incontinência urinária em jogadoras amadoras de voleibol de Santa Maria, RS. Método: a amostra foi composta por 23 mulheres praticantes de voleibol, com faixa etária de 23 a 42 anos. Foram realizados encontros em horários previamente agendados com as voluntárias, sendo aplicados os instrumentos de avaliação, a ficha de identificação e o questionário utilizado, a fim de avaliar os sintomas das perdas urinárias e sua história ginecológica. Resultados: sete apresentaram queixa de incontinência urinária; duas relataram perder urina com riso, quatro com tosse, duas com espirro e uma com agachamento, sendo que nove perdem urina em gotas. Das 23 jogadoras cinco apresentam incontinência urinaria leve e quatro moderada. Quanto ao tempo dos sintomas, duas relatam ser há mais de 20 anos, duas há menos de um ano e cinco há seis meses. Considerações finais: os resultados nos mostram fortes indícios para levantar a hipótese de que a Incontinência Urinária em jogadoras de voleibol está relacionada com a atividade e o treinamento de alto impacto, tornando importante a prevenção de tais disfunções para que as atletas não venham a desenvolver patologias no futuro.

Palavras-chave


Incontinência Urinária; Mulheres; Voleibol; Fisioterapia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v16i5.6761

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo