Esquemas de gênero e perfil idiocêntrico e alocêntrico dos lutadores de jiu-jitsu de Chapecó-SC

Kelson Mathiola Backes, Walan Robert da Silva, Gislane Ferreira Melo, Fernando Luiz Cardoso

Resumo


Objetivo: investigar qual o perfil psicológico dos atletas de jiu-jitsu de Chapecó-SC, em relação aos esquemas de gênero (EG) e o perfil idiocêntrico e alocêntrico (PI-A). Método: participaram da pesquisa 32 praticantes de jiu-jitsu, do sexo masculino, jovens e adultos com média de idade igual a 27,5 anos (DP= 6,10). Foi aplicado um questionário para verificar as características sociodemográficas, econômicas e esportivas dos atletas, juntamente com o Inventário Masculino dos Esquemas de Gênero do Autoconceito (IMEGA) e o Inventário de Perfil Idiocêntrico-Alocêntrico (PI-A). Resultados: pode-se observar que a maioria dos atletas vive com uma companheira, se declararam de cor branca e pertencentes à classe média. Em relação aos esquemas de gênero, 62,5% dos atletas classificaram-se em um perfil isoesquemático, apresentando assim, uma simetria entre os esquemas masculino e feminino. Referindo-se ao perfil idiocêntrico-alocêntrico, 65.6% classificaram-se como alocêntricos, o que demonstra que os atletas são mais coletivistas do que individualistas. Considerações finais: os atletas de jiu-jitsu possuem um perfil de gênero adequado à prática desportiva e que apesar de pertencerem a uma modalidade individual, apresentam uma predominância alocêntrica em relação ao seu comportamento. Sugere-se que este perfil mais coletivista se deva a estrutura organizacional da competição que valoriza uma articulação entre a pontuação do individuo e do grupo.

Palavras-chave


Perfil Psicológico; Gênero; Traços; Personalidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v17i3.7832

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo