Qualidade de vida de pessoas com doenças crônicas

Daiane Naiara Pereira, Grassyara Pinho Tolentino, Viviane Soares, Patrícia Espíndola Mota Venâncio

Resumo


Objetivo: identificar a qualidade de vida de pessoas com doenças crônicas, internadas em hospitais de Anápolis Goiás. Método: trata-se de uma pesquisa quantitativa, transversal descritiva, utilizando o questionário WHOQOL – bref. Com amostra de 31 pacientes internados em dois hospitais da rede publica de saúde de Anápolis/Goiás com idade 57±1,34 anos, sendo a amostra representada por 15 homens e 16 mulheres, que apresentavam uma ou mais, dos principais tipos de doenças crônicas, sendo elas a hipertensão arterial, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares. Foi feita uma análise descritiva dos dados. Resultados: com resultados no domínio físico, a maioria dos indivíduos pesquisados foi classificada com 22,6% “muito ruim” 29% em “ruim”; no domínio psicológico com 32,3% como “nem boa e nem ruim”; no domínio social a maioria já obteve um melhor resultado com 48,4% na classificação “bom”; domínio ambiente com 45,2% “boa” e de acordo com a percepção dos indivíduos a qualidade de vida foi classificada com 41,9% “nem boa, nem ruim”. Considerações finais: o estudo identificou que as pessoas com doenças crônicas avaliadas neste estudo, consideram sua qualidade de vida “nem ruim nem boa”, principalmente nos aspectos físicos e psicológicos, a doença crônica pode sim, ter afetado a qualidade de vida. Porém, traz resultados satisfatórios no domínio social, como apoio familiar e o domínio ambiente.

Palavras-chave


Qualidade de vida; Doenças crônicas; Pacientes internados.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v18i3.9320

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo