Um Relato de Atendimento Psicossocial à Família do Acusado de Abuso Sexual

Simone Santos, Edinete Maria Rosa, Elisa Merçon-Vargas

Resumo


A vivência de situações de abusos sexuais reverbera nas vidas dos vitimados e da família, ocasionando, por exemplo, afastamento social e vergonha. Todavia, pouca atenção é dada à família do acusado. Em vista disso, este artigo tem como objetivo relatar a experiência do projeto de estágio “Apoio e Fortalecimento de vínculos familiares”, no qual foi realizado atendimentos psicossociais a senhora A (37 anos), esposa de um acusado de abuso sexual. Foram realizados 25 atendimentos individuais semanalmente com duração de aproximadamente 60 minutos cada. Inicialmente, surgiram questões relacionadas à denúncia; porém, no transcorrer dos atendimentos, outras demandas foram trazidas. Assim, os atendimentos foram divididos nos seguintes blocos temáticos: (a) acolhimento e compreensão da demanda; (b) questões interpessoais após a denúncia; (c) fortalecimento de vínculos; (d) crenças e identidade pessoal; e (e) fortalecimento pessoal. As questões trazidas pela cliente foram semelhantes às encontradas na literatura com relação à familiares de vítimas de abuso sexual, incluindo o sentimento de isolamento social e de vergonha. A denúncia de abuso sexual infantil contra o marido possuiu impacto profundo em diversas esferas da vida da cliente. Concluímos que a escuta qualificada e o atendimento psicossocial são imprescindíveis. Ressaltamos a importância de compreender de modo sistêmico os contextos e relações em que estão inseridos não apenas as vítimas e acusados da violência, mas também seus familiares. Destacamos a importância do apoio social e do fortalecimento da vinculação familiar no processo de enfrentamento da situação de denúncia de abuso, bem como a importância do apoio profissional


Palavras-chave


Abuso sexual; Família; Atendimento psicossocial; Relato de experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, M. F. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, 7(2), 3-11. doi: 10.1590/S1413-73722002000200002

Beck, J. (2014). Terapia cognitivo-comportamental: Teoria e prática (2ª ed., S. M. da Rosa, Trad). Porto Alegre: Artmed.

Brito, C. O., Nascimento, C. R. R., & Rosa, E. M. (2018). Conselho tutelar: rede de apoio socioafetiva para famílias em situação de risco?. Pensando familias, 22(1), 179-192. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2018000100014&lng=pt&tlng=pt

Brito, R. C., & Koller, S. H. (1999). Desenvolvimento humano e redes de apoio social e afetivo. In A. M. Carvalho (Org.), O mundo social da criança: Natureza e cultura em ação. (pp. 115-130). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Campos, M., Schor, N., Anjos, R., Laurentiz, J., Santos, D., & Peres, F. (2005). Violência Sexual: integração saúde e segurança pública no atendimento imediato à vítima. Saúde e Sociedade, 14(1), 101-109. doi: 10.1590/S0104-12902005000100011

Corcoran, J., & Pillai, V. (2008). A meta-analysis of parent involved treatment for child sexual abuse. Research on Social Work Practice, 18(5), 453-464. doi: 10.1177%2F1049731507313980

Costa, L. F., Penso, M. A., Rufini, B. R., Mendes, J. A. A., & Borba, N. F. (2007). Família e abuso sexual: silêncio e sofrimento entre a denúncia e a intervenção terapêutica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59(2), 245-255. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672007000200013&lng=pt&tlng=pt

Costa, L., Rocha, C., & Cavalcante, L. (2018). Características biopsicossociais entre acusados de agressão sexual contra crianças/adolescentes em contextos intra e extrafamiliar. Temas em Psicologia, 26(1), 283-295. doi: http://dx.doi.org/10.9788/tp2018.1-11pt

Cunha, G. G., & Dutra, E. M. S. (2019). Um olhar fenomenológico para mães de crianças vítimas de abuso sexual: uma revisão de literatura. Revista da Abordagem Gestáltica, 25(1), 103-110. doi: 10.18065/RAG.2019v25.10

De Antoni, C., Yunes, M., Habigzang, L., & Koller, S. (2011). Abuso sexual extrafamiliar: percepções das mães de vítimas. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(1), 97-106. doi: 10.1590/S0103-166X2011000100010

Dell’Aglio, D., Moura, A., & Santos, S. (2011). Atendimento a mães de vítimas de abuso sexual e abusadores: considerações teóricas e práticas. Psicologia Clínica, 23(2), 53-73. doi: 10.1590/S0103-56652011000200005

Florentino, B. R. B. (2015). As possíveis consequências do abuso sexual praticado contra crianças e adolescentes. Revista de Psicologia, 27 (2), 139-144. doi:10.1590/1984-0292/805

Hohendorff, J., Santos, S. S., & Dell’Aglio, D. D. (2015). Estudo de caso sobre a revelação da violência sexual contra meninos. Contextos Clínicos, 8(1), 46-54. doi: 10.4013/ctc.2015.81.05

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm

Lima, C. M. (2018). Abuso sexual de crianças e adolescentes e inclusão social. Educação: Saberes e Práticas, 7(1). Recuperado de http://revistas.icesp.br/index.php/SaberesPratica/article/view/345

Lima, J. A., & Alberto, M. A. P. (2016). Urgências psicológicas no cuidado às mães em casos de abuso sexual intrafamiliar. Estudos de Psicologia (Natal), 21(3), 337-347. doi: 10.5935/1678-4669.20160032

Lucânia, E. R., Valério, N. I., Barison, S. Z. P., & Miyazaki, M. C. O. S. (2009). Intervenção cognitivo-comportamental em violência sexual: Estudo de caso. Psicologia em Estudo, 14(4), 817-826. doi: 10.1590/S1413-73722009000400022

Macedo, E. O. S., & Conceição, M. I. G. (2017). Atendimento psicossocial a crianças e adolescentes em situação de violência: O psicólogo e a rede de atenção. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 12(1), 129-146. Recuperado em de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082017000100010&lng=pt&tlng=pt

Marafon, P., & Scortegagna, S. A. (2017). Suporte materno mediante o abuso sexual infantil: Revisão de literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 8(1), 119-134. doi: 10.5433/2236-6407.2017v8n1p119

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (2019). Disque direitos humanos: Relatório 2018, 13-18, Brasília, DF. Retirado de https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/ouvidoria/balanco-disque-100

Pincolini, A., & Hutz, C., (2014). Abusadores sexuais adultos e adolescentes no sul do Brasil: pesquisa em denúncias e sentenças judiciais. Temas em Psicologia, 22(2), 301-312. doi: 10.9788/TP2014.2-03

Pincolini, A., Hutz, C., & Laskoski, L. (2012). Caracterização da Violência Sexual a partir de Denúncias e Sentenças Judiciais. Psicologia em Pesquisa, 6(1), 19-28. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472012000100004&lng=pt&tlng=pt

Santos, S., & Dell’Aglio, D. (2010). Quando o silêncio é rompido: o processo de revelação e notificação de abuso sexual infantil. Psicologia & Sociedade, 22(2), 328-335. doi: 10.1590/S0102-71822010000200013

Santos, S., & Dell'Aglio, D. D. (2013). O processo de revelação do abuso sexual na percepção de mães. Psicologia: teoria e prática, 15(1), 50-64. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000100004&lng=pt&tlng=pt

Vieira, M. S. (2018). Violência sexual contra meninas: Do silêncio ao enfrentamento. Revista Libertas, 18 (2), 101-116. doi: 10.34019/1980-8518.2018.v18.18596

Wielenska, R. C. (2012). O papel da relação terapeuta-cliente para a adesão ao tratamento e à mudança comportamental. In N. B. Borges, F. A. Cassas, & Cols. (Org.), Clínica analítico - comportamental: Aspectos teóricos e práticos. (1ª ed., pp. 160-165). Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v4i1.14034

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter