Estudo de caso: um olhar sistêmico para a psicoterapia individual

Juliana Rohde, Dulce Grasel Zacharias

Resumo


O pensamento sistêmico entende que há interatividade entre os membros de um mesmo sistema, em retroalimentação ou feedback e, entendendo as famílias como sistemas, têm-se que os seus membros influenciam uns aos outros mutuamente. Por este motivo o presente estudo busca, através de um estudo de caso, demonstrar como este entendimento e a abordagem sistemica podem contribuir para a psicoterapia individual, através do caso da paciente A.M[1]. O entendimento se dará a partir do seu sistema familiar, uma vez que, apesar de os atendimentos terem ocorrido de forma individual, acredita-se que suas relações e interações familiares sejam muito significativas para compreensão da situação e condução da psicoterapia.


[1] A paciente será identificada pelas iniciais para não expor sua identidade, tampouco comprometer o sigilo.


Palavras-chave


Abordagem sistêmica. Psicoterapia individual. Estudo de caso.

Texto completo:

PDF

Referências


Campos, E. M. P.; Álvares, M.; Abreu, P. Infância e família. In: Mello Filho, J.; Burd, M (Orgs.) (2010). Doença e família (pp. 205-216). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Coimbra, M. N. C. T.; Martins, A. M. O. (2013). O estudo de caso como Abordagem metodológica no ensino superior. Nuances. São Paulo, 24(3), 31-46. Recuperado de http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/viewFile/2696/2360

Lima, M. C. S. (2014). Filho: uma experiência de estranhamento. 34 p.

Trabalho de conclusão de curso (curso de Psicologia) – Centro Universitário Jorge Amado, Salvador. Recuperado de http://www.cefacbahia.org.br/pag_internas/publicacoes/pdf/historico/tcc_MCS091214.pdf

Martins, E. M. A.; Rabinovich, E. P.; Silva, C. N. (2008). Família e o processo de diferenciação na perspectiva de Murray Bowen: um estudo de caso. Psicol. USP. São Paulo, 19(2), 181-197. Recuperado de Http://Pepsic.Bvsalud.Org/Pdf/Psicousp/V19n2/V19n2a05.Pdf

Minuchin, S. (1990). Famílias: funcionamento e tratamento. Trad. Jurema Alcides Cunha. Porto Alegre: Artes Médicas.

Minuchin, S.; Nichols, M. P.; Lee, W. (2009) Famílias e casais: do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Nichols, M. P.; Schwartz, R. C. (2007). Terapia familiar: conceitos e métodos. Trad. Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artmed.

Osório, L. C. A família como sistema. In: Mello Filho, Júlio de; BURD, Miriam (Orgs.) (2004). Doença e família. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 29-42.

Papp, P. (1992). O processo de mudança: uma abordagem prática à terapia sistêmica da família. Trad. Maria Efigênia S.R. Maia e Claudine Kinsch. Porto Alegre: Artes Médicas.

Santos, N. E. B. (2008). A triangulação e seus múltiplos aspectos no contexto familiar: um olhar relacional-sistêmico. 33 p. Trabalho de conclusão de curso (especialização em terapia relacional sistêmica) – Familiare Instituto Sistêmico, Florianópolis. Recuperado de http://www.institutofamiliare.com.br/download_anexo/nara-elisete-bender-dos-santos.pdf.

Vasconcellos, M. J. E. (2008) (7). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus.

Wagner, A. et al. (2011). Desafios psicossociais da família contemporânea: pesquisas e reflexões. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v1i1.9508

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter