Violência contra crianças e adolescentes: (in)visibilidades e problematizações

Letícia Maísa Eichherr, Lilian Rodrigues da Cruz

Resumo


Este artigo é o resultado de uma pesquisa-intervenção realizada com profissionais de duas Unidades de Saúde do município de Porto Alegre/RS. Para produção de dados, utilizou-se como dispositivo o grupo focal e como ferramenta de análise das informações, a Análise de Conteúdo. A narrativa transcorre a partir das reflexões decorrentes dos grupos focais que objetivaram investigar como a violência contra crianças e adolescentes, em suas diferentes formas, se expressa no cotidiano de profissionais de saúde, apontando três categorias de análise: diferentes violências, (in)visibilidade da violência sexual e estratégias de enfrentamento e sentimentos predominantes. A partir das falas dos profissionais, destaca-se o quanto a violência contra crianças e adolescentes está presente no cotidiano, tanto em formas explícitas, como a violência no território, quanto de forma mais silenciosa e invisibilizada, como a violência sexual. Foram identificados sentimentos de medo, frustração e impotência relacionados às questões da denúncia e da notificação dos casos e angústia frente à resolutividade das mesmas. A educação permanente em saúde e a capacitação envolvendo esta temática, além da ação intersetorial e multiprofissional são consideradas fundamentais para o trabalho efetivo diante da violência contra crianças e adolescentes.


Palavras-chave


Violência. Abuso sexual na infância. Violência doméstica. Saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Amendola, M. F. (2009). Analisando e (des)construindo conceitos: pensando as falsas denúncias de abuso sexual. Estudos e Pesquisas em Psicologia. [online], Rio de Janeiro, 9(1).

Araújo, M. F. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, 7(2), 3-11.

Arpini, D. M.; Soares, A. C. O. E.; Betrê, L.; Dal Forno, C. (2008). A revelação e a notificação das situações de violência contra a infância e a adolescência. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, 14(2), 95-111.

Assis, S. G.(1994). Crianças e adolescentes violentados: passado, presente e perspectivas para o futuro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 10(1), 126-134.

Assis, S. G.; Avanci, J. Q.; Pesce, R. P.; Pires, T. O. & Gomes, D. L. (2012). Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,17( 9), 2305-2317.

Backes, D. S.; Colomé, J. S.; Erdmann, R. H.; & Lunardi, V. L. (2011). Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. Mundo saúde; 35(4), 438-442.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014). Portaria 1271 de 06 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências.

Brasil. (2017). Viva: Vigilância de Violências e Acidentes: 2013 e 2014. Brasília: Ministério da Saúde.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614.

Ceccim, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface, Botucatu, 9(16), 161-168.

Costa, M. C. O.; Carvalho, R. C.; Santa Bárbara, J. F. R.; Santos, C. A. S. T., Gomes, W. A., & Sousa, H. L. (2007). O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência & Saúde Coletiva, 12(5), 1129-1141.

Habigzang, L. F.; Koller, S. H.; Azevedo, G. A.; & Machado, P. X. (2005). Abuso Sexual Infantil e Dinâmica Familiar: Aspectos Observados em Processos Jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348.

Minayo, M. C. S. (1994). Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 10(1), 7-18.

Minayo, M. C. S. (2005). Violência: um velho-novo desafio para a atenção à saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, 29(1), 55-63.

Moreira, M. I. C.; Sousa, S. M. G. (2012). Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: do espaço privado à cena pública. O Social em Questão. Ano XV, 28, 13-26.

Moreira, E. P.; Muller, E. L.; Cruz, L. R. (2012). Centro de Referência Especializado da Assistência Social: Pesquisa-Intervenção na rede de proteção à infância e adolescência. Barbarói, Santa Cruz do Sul, 36 (ed. sp), 70-82.

Passos, E.; Barros, R. B. (2000). A construção do plano da clínica e conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teor. e Pesq., Brasília, 16(1), 71-79.

Rocha, M. L.; Aguiar, K. F. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicol. cienc. prof., Brasília, 23(4), 64-73.

Rolim, A. C. A.; Moreira, G. A. R.; Corrêa, C. R. S.; & Vieira, L. J. E. S. (2014). Subnotificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na Atenção Básica e análise de fatores associados. Saúde em Debate, 38(103), 794-804.

Sanchez, R. N.; Minayo, M. C. S. (2006). Violência contra Crianças e Adolescentes: Questão Histórica, Social e de Saúde. In Lima, C. A.(coord). Violência faz mal à saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Santos, S. S.; & Dell'Aglio, D. D. (2010). Quando o silêncio é rompido: o processo de revelação e notificação de abuso sexual infantil. Psicologia & Sociedade, 22(2), 328-335.

Trad, L. A. B. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis [online].19(3), 777-796.

Vieira, L. J. E. S.; Silva, R. M.; Cavalcanti, L. F.; & Deslandes, S. F. (2015). Capacitação para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes em quatro capitais Brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, 20(11), 3407-3416.

Waiselfisz, J. J. (2012). Mapa da violência 2012: Crianças e Adolescentes do Brasil. Rio de Janeiro: CEBELA.

OMS. Organização Mundial da Saúde. (2002). Relatório Mundial sobre violência e saúde. Geneva: World Health Organization.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v1i1.9804

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter