Qualidade de vida e qualidade do sono na percepção de residentes multiprofissionais: estudo transversal

Fernanda Bastos, Maria Eduarda Lara de Oliveira, Eduarda Chaves Silveira, Dulciane Nunes Paiva, Éboni Marilia Reuter

Resumo


Introdução: o Programa de Residência Multiprofissional de Saúde (PRMS) é uma modalidade de pós-graduação que permite aos profissionais da área da saúde uma formação com qualidade e supervisionada, com duração de dois anos e reconhecida como uma forma eficaz. Entretanto, com seus malefícios pelo desgaste físico, emocional e a competitividade, assim podendo causar distúrbios do sono. Objetivo: avaliar a percepção da qualidade de vida e qualidade de sono dos Residentes de equipe multiprofissional de um hospital do interior do Sul do Brasil. Método: estudo transversal, realizado com Residentes multiprofissionais de um programa vinculado a um hospital universitário. Foram entregues instrumentos autoaplicáveis, contendo ficha de identificação e características do exercício profissional, questionário World Health Organization Quality of Life, versão bref (WHOQOL-bref) e o Índice de Qualidade de Sono Pittsburgh (PSQI). As diferenças entre os desfechos para o tempo em exercício profissional calculadas pelo teste de qui-quadrado de Pearson ou U de Mann-Whitney. Resultados: em relação à Qualidade de Vida, foi identificado que a classificação ‘Regular’ foi predominante, sendo que o domínio relações sociais foi mais bem pontuado naqueles com até 24 meses de formação. Já na qualidade de sono, foi identificado que 61% dos Residentes foram categorizados com qualidade de sono ‘Ruim’, embora tenham identificado uma ‘Boa’ qualidade de sono no último mês. Residentes com até 24 meses de exercício profissional apresentaram maior pontuação no domínio relações sociais, quando comparado aos seus pares com mais tempo de atuação. Conclusão: os Residentes possuem níveis intermediários de qualidade de vida e ruim de sono, sendo que o domínio relações sociais foi diferente conforme o tempo em exercício profissional.


Palavras-chave


Qualidade de vida, Sono; Hospital de ensino; Equipe multiprofissional; Trabalhador da saúde.

Referências


Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Revista Cogitare Enfermagem, 2013; 18(3):592-595.

Ferreira ECN, et al. Síndrome de burnout em residentes médicos de montes claros/mg. Revista Atenção em Saúde, São Caetano do Sul, 2017; 15(53): 44-49.

SILVA, J.C. et al. Percepção dos residentes sobre sua atuação no programa de residência multiprofissional. Revista Acta Paulista de Enfermagem, v. 28, n. 2, p. 132-138, 2015.

Moreira APF, Patrizzi LJ, Accioly MF, Shimano SGN, Walsh IAP. Avaliação da qualidade de vida, sono e Síndrome de Burnout dos residentes de um programa de

residência multiprofissional em saúde. Revista Medicina Ribeirão Preto, 2016; 49(5): 393-402.

Silva MRA, Silveira PRRM. Estresse ocupacional em enfermeiros residentes de um programa de residência multiprofissional em saúde da família. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde, 2017; 7(1): 24-35.

Purim KSM, Guimarães ATB, Titski ACK, Leite N. Privação do sono e sonolência excessiva em médicos residentes e estudantes de medicina. Revista do colégio Brasileiro de cirurgiões, 2016; 43(6): 438-444.

Santos AA, Costa ORS. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de enfermagem que atuam no período noturno em um hospital escola do Sul de Minas Gerais. Revista Ciências em Saúde, 2016; 6(1):37-50.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL- bref’. Revista de Saúde Pública, 2000; 9(3):473-481.

Simões J, Bianchi LRO. Prevalência da síndrome de burnout e qualidade do sono em trabalhadores técnicos de enfermagem. Revista Saúde e Pesquisa, 2016; 9(3): 473-481.

Dias BA, Pereira MN, Sousa IF, Almeida RJ. Qualidade de vida de médicos residentes de um hospital escola. Revista Scientia Medica, 2016; 26(1):89-91.

Asaiag PE, Perotta B, Martins MA, Tempski P. Avaliação da Qualidade de Vida, Sonolência Diurna e Burnout em Médicos Residentes. Revista Brasileira de Educação Médica, 2010; 34 (3):422–429.

Cahú RAG, Santos ACO, Pereira RC, Vieira CJL, Gomes SA. Estresse e qualidade de vida em residência multiprofissional em saúde. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 2014;10(2):76-83.

Serra AV, et al. Estudos psicométricos do instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-Bref) para Português de Portugal. Revista Psiquiatria Clínica, 2006; 27(1): 41-49.

Purim KSM, Guimarães ATB, Titski ACK, Leite N. Privação do sono e sonolência excessiva em médicos residentes e estudantes de medicina. Revista do Colégio Brasileiro de cirurgiões, 2016; 43(6): 438-444.

Ribeiro CRF, Silva YMGP, Oliveira SMC. O impacto da qualidade do sono na formação médica. Revista Sociedade Brasileira de Clinica Médica, 2014; 12(1): 8-14.

Melo MCA, Medeiros FC, Bruin VMS, Santana JAP, Lima AB, Daher EF. Sleep Quality Among Psychiatry Residents. La Revue Canadienne de Psychiatrie, 2016; 61(1): 44-49.

Rezende GL, Mello MSMS, Granjeiro RC, Nakanishi M, Oliveira CAPC. A qualidade de vida entre os residentes de Otorrinolaringologia do Distrito Federal. Braz. J. Otorhinolaryngol. 2011; 77(4):466-472.

Abreu-Reis P, Oldoni C, de-Souza GAL, Bettega AL, Góes MN, Sarquis LM et al. Aspectos psicológicos e qualidade de vida na Residência Médica. Rev. Col. Bras. Cir. 2019; 46(1):e2050.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rips.v3i1.15870

Apontamentos

  • Não há apontamentos.