Variabilidade espacial da planta daninha azevém em cultivo de trigo utilizando diferentes malhas amostrais

Luan Pierre Pott, Telmo Jorge Carneiro Amado, Nelson Diehl Kruse, Lúcio de Paula Amaral, Geovane Boschmann Reimche, Tiago De Gregori Teixeira, Darlan Preuss

Resumo


Ao longo dos últimos anos a principal planta daninha da cultura do trigo tem sido o azevém, a qual infesta lavouras e compete com a cultura por recursos naturais. O levantamento das plantas daninhas, de forma geral, é realizado de forma indiscriminada, não levando em consideração sua variabilidade espacial. Uma forma para realizar o levantamento das plantas daninhas de forma precisa é utilizando malhas amostrais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a variabilidade espacial da distribuição da planta daninha azevém com diferentes tamanhos de malhas amostrais. Foram geradas cinco malhas amostrais com dimensões de 6,125 x 6,125 m, 12,5 x 12,5 m, 25 x 25 m, 50 x 50 m, e 100 x 100 m. A avaliação de levantamento da população da planta daninha azevém foi realizada com o auxílio de quadrados amostrais metálicos, quando a cultura do trigo se apresentava no início do afilhamento. Malhas amostrais de 6,125 x 6,125 m, 12,5 x 12,5 m, 25 x 25 m e 50 x 50 m, com exceção da malha 100 x 100 m, apresentaram elevado coeficiente de variação, o que caracteriza a heterogeneidade de sua presença e grau de infestação na área. Pode-se concluir que a medida que reduz o tamanho da malha amostral aumenta a precisão na caracterização da variabilidade espacial de densidade da planta daninha, possibilitando a confecção de mapas temáticos da infestação de azevém com precisão.

Palavras-chave


Agricultura de precisão; geoestatística; mapas temáticos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/tecnolog.v23i2.13299

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo