Cleptomania: roubando a possibilidade de dar-se conta

Yohanna Breunig, Miguel Angel Liello

Resumo


Este artigo refere-se a um estudo de caso realizado durante o Estágio Integrado em Psicologia no Serviço Integrado de Saúde (SIS), na abordagem da Gestalt-terapia. Seu objetivo é possibilitar a interlocução entre a teoria e a prática, enfocando um dos atendimentos individuais que ocorreram durante o estágio. Trata-se de um caso cuja paciente apresentou comportamentos que caracterizavam a cleptomania, em que esta representava um sintoma para outras questões. A paciente acabava por enxergar o transtorno como o causador de todos os seus problemas, chegando a rotular-se por isso, sem dar-se conta, inicialmente, de que ele estava tentando anunciar que algo não ia bem. A Gestalt-terapia tende a ver o sujeito por sua totalidade e não como um fragmento e, portanto, percebemos a cleptomania como uma parte de seu ser e que aparece como um sintoma, mas sabemos que não é possível reduzir a paciente ao seu transtorno. Consideramos todo o seu ser, buscando resgatar e fortalecer suas potencialidades. Deste modo, fizemos um breve relato do caso, seguido de referencial teórico acerca do seu sintoma e de como ele pode ser compreendido pela Gestalt-terapia. Assim, foi possível realizar a interlocução entre o caso e a teoria, pensando no modo como a terapia foi sendo desenvolvida e o que pode ser trabalhado durante o breve período de tratamento da paciente.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Flag Counter