ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA EM UM AMBIENTE DE COWORKING

Betina Brust, Clari Schuh

Resumo


As mudanças que ocorreram nos últimos anos transformaram a maneira dos profissionais se relacionarem no ambiente de trabalho. Mudanças sociais, econômicas e estruturais contribuíram para a flexibilização do trabalho e da comunicação, favorecendo assim o surgimento de novos modelos de cultura organizacional. Devido ao aumento no número de profissionais independentes ou autônomos, surge a necessidade de um novo espaço onde estes profissionais possam desenvolver seus projetos e ideias, sair do isolamento, conhecer e interagir com outras pessoas, gerando assim um fluxo de troca de conhecimentos e experiências. Neste contexto, o coworking surgiu como uma alternativa em meio a um cenário de incertezas na economia, sendo que uma maneira de lidar com essa incerteza é optar por aquilo que oferece, acima de tudo, redução de custos entre outras vantagens. No Brasil, o número de novos espaços de coworking vem aumentando. Conforme Censo Coworking Brasil (2017), em 2017, o número de espaços ativos no Brasil teve um aumento de 114% em relação a 2016. No Rio Grande do Sul, o aumento foi de 129,17% em relação a 2016, sendo que a maior concentração destes espaços é nas capitais. Conforme resultado obtido pelo Censo, trata-se de um mercado em expansão, favorável para a abertura de um novo espaço, para tanto é necessário um estudo detalhado a respeito do planejamento financeiro e gerencial, assim como a utilização de ferramentas gerenciais e indicadores financeiros para análise dos resultados. O estudo objetivou analisar a viabilidade econômico-financeira da implantação de um espaço compartilhado de coworking na cidade de Santa Cruz do Sul – RS. O estudo se classifica como exploratório, estudo de caso e qualitativo em relação ao problema de pesquisa. Para o desenvolvimento deste estudo, foram realizadas pesquisas em alguns espaços de coworking no estado do Rio Grande do Sul com o propósito de identificar o valor cobrado por estes, sua estrutura e serviços oferecidos. As receitas, custos e despesas foram levantados conforme visita técnica ao espaço localizado na cidade de Santa Cruz do Sul, e ajustada para a realidade do projeto em estudo. De posse das projeções das entradas e saídas de valor, elaborou-se a Demonstração do Resultado do Exercício e o Fluxo de Caixa, ambos apresentaram saldo positivo a partir do segundo ano. Em relação ao Ponto de Equilíbrio Contábil, Econômico e Financeiro, obteve-se no primeiro ano um resultado abaixo do previsto, em contrapartida, no segundo ano, o valor realizado supera o esperado nos três casos. Os indicadores utilizados para avaliar a viabilidade do projeto foram o Payback, Valor Presente Líquido e a Taxa Interna de Retorno, onde se apurou que somente no quinto ano de atividades o projeto se torna viável, recuperando o investimento inicial feito pelos sócios. Como conclusão, com base nas projeções realizadas, o projeto torna-se inviável nos dois primeiros anos de atividade, em razão do elevado custo de aluguel e pró-labore e a restrição ao valor cobrado pelos planos. Como o estudo proposto apresentou-se inviável nos dois primeiros anos de atividade, sugere-se a continuidade do estudo através de uma pesquisa a respeito das características desta modalidade de trabalho na cultura da região, até que ponto estas características influenciam na viabilidade do negócio, pelo fato de ser um modelo pouco explorado, mas que vem ganhando notoriedade com o passar dos anos.