Efeito do déficit hídrico no crescimento inicial de quatro espécies agrícolas

Autores

  • Mariele Cristine Tesche Küster Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.
  • Luana Paganotto Leandro Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.
  • Guilherme Afonso Kessler de Andrade Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.
  • Silvane Vestena Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus São Gabriel

DOI:

https://doi.org/10.17058/cp.v32i1.14977

Resumo

A baixa disponibilidade hídrica afeta negativamente o crescimento dos cultivos agrícolas e é a principal causa da redução da produtividade. O objetivo deste trabalho foi avaliar o crescimento inicial de quatro espécies agrícolas (Zea mays L., Phaseolus vulgaris L. cv. BRS esplendor, Helianthus annuus L. e Pisum sativum L.) sob diferentes regimes hídricos simulando déficit hídrico. As plantas receberam os seguintes tratamentos de irrigação: diária, 3, 6 e 12 dias. Decorridos 60 dias após a implantação do experimento, foi mensurada as características biométricas: altura da parte aérea, comprimento do sistema radicular, diâmetro do colo, número de folhas, biomassa fresca e seca da parte aérea, radicular e total. Em todas as espécies agrícolas o diâmetro do colo e o comprimento do sistema radicular não sofreram efeito dos tratamentos simulando déficit hídrico; entretanto, para os demais parâmetros, altura da parte aérea, número de folhas e biomassa ocorreram reduções nos seus valores com o aumento do déficit hídrico. Milho foi a espécie que não apresentou redução no crescimento quando submetido ao déficit hídrico. Os resultados são de importância ecológica e econômica, onde demonstram que as espécies testadas apresentam baixa tolerância ao déficit hídrico, exceto para milho necessitando de condições particulares de água para seu crescimento e desenvolvimento.

Biografia do Autor

Mariele Cristine Tesche Küster, Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.

Graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado) pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) e atualmente é mestranda pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Biológicas pela mesma Universidade.

Luana Paganotto Leandro, Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.

Graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado) pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) e atualmente é mestranda pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Biológicas pela mesma Universidade.

Guilherme Afonso Kessler de Andrade, Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - Campus São Gabriel.

Graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado) pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA); mestrado pelo Programa de Pós Graduação em Ciências em Ciências Biológicas e atualmente é doutorando também pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Biológicas pela mesma Universidade.

Silvane Vestena, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus São Gabriel

Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); Mestre em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Doutorado em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa (UFS); atualmente é professora na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) - Campus São Gabriel.

Downloads

Publicado

2021-07-07

Edição

Seção

Artigos