Uso de psicotropicos pelo enfermeiro: sua relação com o trabalho

Graziela Clementina Galvani Vieira, Raquel Lima de Brida, Regiane da Silva Macuch, Ely Mitie Massuda, Gabriele Pereira Preza

Resumo


O processo de trabalho da enfermagem é complexo e envolve o bem-estar físico e mental, como também a promoção, manutenção e prevenção a saúde integral dos profissionais de enfermagem. Objetivo: identificar entre os profissionais enfermeiros se fazem uso de medicação psicoativa, sobre a sobrecarga de trabalho e o conhecimento que estes profissionais possuem em relação aos fatores de risco que estão expostos no ambiente de trabalho. Método: trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo descritivo-exploratória, realizada em um Hospital Filantrópico na cidade de Campo Mourão, Paraná. Participaram da pesquisa 17 enfermeiros (as). Resultados e considerações finais: o estudo aponta que os enfermeiros fazem uso de medicação psicoativa por se encontrarem no limite com sua saúde física e psíquica, devido à demanda de trabalho e fatores de risco que se expõem em suas atividades laborais. Os enfermeiros passam por níveis de estresse elevados o que os condicionam ao uso de medicações, algumas vezes sem orientação médica, levando a uma qualidade de vida prejudicada.

Palavras-chave


Estresse Laboral; Sobrecarga de Trabalho; Enfermagem; Substâncias Psicoativas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v17i3.8118

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo