Prevalência e perfil quanto ao uso de recursos ergogênicos entre acadêmicos de Licenciatura em Educação Física

Maurício Francisco Santos, Romário Pinheiro Lustosa, Joaquim Huaina Cintra Andrade, Ariane Teixeira Dos Santos, Rosane De Almeida Andrade, Francisco Nataniel Macedo Uchoa

Resumo


Atualmente, muitos jovens, influenciados pela mídia, têm utilizado Recursos Ergogênicos (RE) (substâncias utilizadas com o intuito de melhorar o desempenho esportivo). Sem atentar para os malefícios à saúde, o abuso de tais substancias podem acarretar efeitos irreversíveis. Objetivo: analisar a prevalência e traçar um perfil dos usuários de RE em discentes do curso de graduação em Educação Física. Método: trata-se de um estudo transversal descritivo, realizado com 200 discentes de uma Instituição de Ensino Superior (IES) localizada na cidade de Fortaleza – CE. Os estudantes, de ambos os sexos, têm idade superior a 18 anos. Foram incluídos aqueles que praticam algum esporte há, no mínimo, 3 meses, através de um inquérito, com questões abertas e fechadas. Resultados e Considerações finais: concluiu-se que a maioria dos voluntários é do sexo masculino, com idade entre 20 e 35 anos, os produtos mais consumidos são suplementos proteicos, vitamínicos e creatina. A utilização de RE é contínua e a procura por nutricionistas ou médicos é baixa, sendo a orientação sobre o uso de ergogênicos obtida de fontes pouco confiáveis, como amigos e internet. A maioria dos usuários não se mostrou preocupada com eventuais problemas de saúde por seu uso indiscriminado.

Palavras-chave


Recursos Ergogênicos; Educação Física; Nutrição Esportiva.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v18i2.8728

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo