ESTRATÉGIAS DE SAÚDE DA FAMÍLIA: TERRITÓRIO E VÍNCULO SOB A PERSPECTIVA NOMÂDE

Caroline Couto, Letícia Aline Back, Betina Hillesheim

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de apresentar as discussões realizadas na pesquisa A saúde e a lógica da inclusão: entre o território e os nômades, na qual se investigam as formas pelas quais se constroem as noções de território e inclusão no campo da saúde, a partir da experiência de uma parcela da população que é invisível às estatísticas e estratégias de saúde: os nômades. Sob a perspectiva da cartografia, a produção de dados foi realizada a partir de observações participantes em duas equipes de Estratégias de Saúde da Família (ESF) no município de Santa Cruz do Sul – RS. A análise dos dados aponta que os pressupostos de territorialidade, inclusão e vinculação das Políticas Públicas de Saúde podem produzir vulnerabilidades, bem como intensificar as práticas de culpabilização e responsabilização dos sujeitos, estabelecendo, por meio de cadastros e divisões territoriais, quem pertence ou não a cada unidade de saúde, mediante critérios de inclusão e exclusão dos usuários.

Palavras-chave


Inclusão, nomadismo, políticas públicas de saúde

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rjp.v4i1.4503



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo


PRÓ-REITORIA ACADEMICA, DIREÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO


Av. Independência, 2293
CEP 96815-900 - Santa Cruz do Sul - RS
Bloco 25 - Sala 2501
Fone: +55-51-3717-7341