A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO RIO GRANDE DO SUL E AS POLÍTICAS DE SAÚDE MENTAL (1970-2000)

Carolina Assmann, Mozart Linhares da Silva

Resumo


O artigo tem por objetivo analisar os deslocamentos e rearticulações ocorridos no campo de ação do saber-poder psiquiátrico no Rio Grande do Sul no decorrer dos anos 1970 a 2000, a partir de um estudo de caso do Hospital Psiquiátrico São Pedro localizado no município de Porto Alegre - RS. Desse modo, buscamos contemplar os processos e discussões que perpassaram a desinstitucionalização da loucura no Estado até a aprovação da Lei 9.716 em 1992, a partir de uma análise dos enunciados presentes tanto nas políticas de saúde mental, como nas reportagens que circularam na imprensa escrita no período supracitado. Isto é, trata-se, portanto, de problematizar a emergência de novos arranjos discursivos e de práticas e políticas de gestão e governamento da loucura no Estado no período chamado “pós panóptico”. Assim, os resultados da pesquisa nos permitem compreender como ocorrem as novas formas de agenciamento da “loucura” através de outros mecanismos e estratégias de poder que independem do dispositivo arquitetônico do Hospício, possibilitando com que o controle sobre a “loucura” seja mais amplo e extra-asilar.

Palavras-chave


Reforma Psiquiátrica; Políticas de Saúde Mental; História; Saber-poder; Governamento

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rjp.v5i1.5686



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo


PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO


Av. Independência, 2293
CEP 96815-900 - Santa Cruz do Sul - RS
Bloco 25 - Sala 2501
Fone: +55-51-3717-7341