Feixes de fibras Lignocelulósicas refinadas mecanicamente em compósitos cimentícios para avaliação da resistência à tração

Flávio Airton knuth, Margarete Regina Freitas Gonçalves, Darci Alberto Gatto, Rogerio Daltro Knuth

Resumo


As fibras vegetais têm características particulares em relação a outros tipos de fibras usadas em compósitos. Os estudos
utilizam, em sua maioria, fibras cuja lignina fora previamente removida pelo processo de polpação. Segundo a literatura, a lignina
prejudica a ancoragem fibra-matriz. No entanto, sem a lignina, é necessário que seja feito tratamento superficial no conjunto fibroso.
Isso por que as fibras sofrem processo de inchamento e retração no interior da matriz devido a seu caráter hidrofílico, o que diminui
sua vida útil. No entanto, a despeito das considerações literárias, esse trabalho se propõe a fazer uso da vantagem de proteção,
estruturação e impermeabilização que a lignina exerce sobre as fibras vegetais. Isso implica na necessidade de suprir a redução da
resistência do compósito, especialmente à tração, que a lignina causa pela sua atuação negativa na ancoragem fibra-matriz. Para tanto,
fibras lignocelulósicas extraídas de talos de banana foram submetidas a processo de refinamento mecânico. Segundo a literatura, a
fibra sofre modificações na sua parede externa quando submetida a esse refinamento. Ao final do processo, foram obtidas fibras com
formato helicoidal e superfície corrugada o que resultou em maior aderência no conjunto fibra-matriz. As fibras submetidas ao maior
grau de refinamento aumentaram a resistência do compósito à tração na compressão diametral em 40% em relação a corpo de prova de
cimento puro.

Palavras-chave


Fibras vegetais; lignina; refinamento; resistência

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/tecnolog.v21i2.8784

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo