ANÁLISE DO PERFIL GENÉTICO DE CEPAS DE MYCOBACTERIUM TUBERCULOSIS CIRCULANTES NA CADEIA PÚBLICA DE PORTO ALEGRE (RS)

Erika Barreto Knod, Eduarda Coelho Segatto, Nayanna Dias Bierhals, Caroline Busatto, Daniela Becker, Ivy Ramis, Andreia Rosane de Moura Valim, Lia Gonçalves Possuelo.

Resumo


A tuberculose (TB) é uma doença infectocontagiosa, que afeta prioritariamente os pulmões, causada pelo agente etiológico Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecido como bacilo de Koch (BK). No ano de 2020 no Brasil, foram notificados 66.819 novos casos de TB, sendo 6.544 no estado do Rio Grande do Sul (RS). Dentre essas notificações do RS, 1.126 (17,2%) foram oriundas das pessoas privadas de liberdade (PPL). A falta de acesso a saúde, a superlotação e a pouca ventilação nas celas são fatores que impõem um risco adicional para a transmissão do M. tuberculosis na PPL. Neste cenário, além de melhorias na saúde, a epidemiologia molecular é uma técnica importante para identificar determinantes de distribuição e transmissão do M. tuberculosis na população prisional. Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi realizar a análise do perfil genético e epidemiológico de cepas de M. tuberculosis circulantes na cadeia pública de Porto Alegre (CPPA) no período de 2015 a 2018. Foram identificados no período do estudo 916 casos de TB de pacientes de ambos os sexos, dos quais 151 (16,5%) cepas de M. tuberculosis estavam disponíveis para análise do perfil genético. Para a realização da genotipagem, as cepas foram repicadas em meio de cultura sólido Ogawa-Kudoh e após o crescimento, submetidas a extração do DNA. A genotipagem foi realizada através da técnica de Mycobacterial Intersperced Repetitive Units-Variable Number of Tandem Repeats (MIRU-VNTR)15-loci e seus dados gerados no website MIRU-VTRplus. Foram coletados dados clínicos e epidemiológicos de todos os casos a partir da base de dados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN). As variáveis analisadas foram: sexo, idade, escolaridade, local de notificação, tipo da entrada, forma da doença, baciloscopia, teste de sensibilidade, coinfecção por HIV e desfecho do tratamento. As análises descritivas foram realizadas no software SPSS (v.20.0). Dentre os 916 casos analisados, 99,9% era homens, com a faixa etária de 18 a 24 anos, 82,7% possuíam de 5 a 8 anos de estudo. Com relação a TB, 95,5% das PPL apresentaram a forma pulmonar da doença e destes, 62,6% eram casos novos. Do total de casos, 4,4% eram resistentes à algum tipo de droga e 18,2% eram HIV positivos. Em relação ao desfecho do tratamento, 51,7% tiveram alta por cura e 20% abandonaram o tratamento. Houve 6 (0,6%) registros de óbito por consequência da TB. Quanto à genotipagem, 59 (39,1%) isolados foram encontrados em 13 clusters, o maior cluster continha 18 isolados, outro grupo maior teve 9 isolados. Dessa forma, observamos que há circulação de cepas de M. tuberculosis com o mesmo perfil genotípico entre PPL, a formação destes clusters reforça a possibilidade de transmissão entre PPL, principalmente por ser uma cadeia de “passagem” localizada na capital do RS, onde muitas PPL são transferidas para a sua cidade de origem aumentando o risco da disseminação e infecção nesta população e na população em geral. O fortalecimento de intervenções é estratégico para a prevenção e controle da doença, minimizando a transmissão entre as diferentes regiões do estado.



ISSN 2764-2135