ÉTICA E RESPONSABILIDADE NO PROCESSO DE PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS: A EXPERIÊNCIA NA PSI UNISC

Rafaele Luiza Klafke, Cristiane Davina Redin Freitas, Silvia Virginia Coutinho Areosa, Jerto Cardoso da Silva

Resumo


O resumo trata de um relato de experiência sobre os processos éticos que permeiam a publicação e divulgação de uma revista científica. Principalmente quando consideramos o atual cenário pandêmico, que trouxe ao interesse do grande público questões de pesquisa em saúde, que foram amplamente divulgadas nos mais diversos meios de comunicação. Dessa forma, torna-se necessário compreender os processos e responsabilidades éticas que atravessam os mais variados periódicos científicos que realizaram tais publicações. Para isso, realizou-se uma busca nas normas e diretrizes dos principais indexadores (SciELO, Redalyc e PePSIC), que além de possuírem critérios rígidos e específicos de entrada, também armazenam, disseminam e divulgam as produções, influenciando na melhoria da visibilidade dos periódicos e na qualidade da comunicação científica. Isto posto, notou-se um consenso em relação às normas utilizadas: publicações que comunicam pesquisas originais, de acesso livre e que contribuam para o desempenho da área temática; qualificação editorial; avaliação por pares de especialistas; relevância, sustentabilidade operacional e financeira; adoção de padrões e boas práticas de comunicação científica. Conforme Santos (2011), um cientista tem um dever moral e ético com a qualidade, idoneidade e fidedignidade dos resultados de seu trabalho, de forma que possa sempre contribuir para os avanços e a construção coletiva da ciência. Uma vez que, ao lermos uma publicação científica devemos pressupor que o autor utilizou os procedimentos éticos que considerou cientificamente adequados, e que relatou fielmente seus resultados. Contudo, um autor que transgrida ou negligencie as regras de produção e divulgação científica acaba por ameaçar a eficácia do sistema coletivo de pesquisa e, portanto, o avanço da ciência (Santos, 2011). Portanto, cabe aos periódicos científicos a responsabilidade de designar avaliadores competentes, atenciosos e especializados na área pesquisada, como forma de reforçar e revisar a qualidade ético-científica daquilo que será publicado. Esse é um grande desafio a todos os periódicos científicos e não é diferente na PSI UNISC, neste período em que estou como bolsista, ao longo dos anos, temos dificuldade em conseguir os pareceristas necessários em tempo hábil para manter a periodicidade do periódico. Redigir um manuscrito é um trabalho humano, que envolve dedicação, tempo e cuidado, sendo passível de erro. Desse modo, torna-se necessário que os pesquisadores tenham humildade e ética para assumir possíveis erros, priorizando o bem-estar social e a construção de uma ciência acessível e colaborativa. E que como forma de colaborar com a ciência e sua construção possam fazer pareceres qualificados e isentos aos periódicos de sua área de atuação.





ISSN 2764-2135