A EXPERIÊNCIA COMO MEDIADORA NA PRÁXIS E NO TRABALHO DO EDUCADOR/A SOCIAL

Elton Petry

Resumo


Este estudo integra uma pesquisa de dissertação de mestrado, em andamento, no Programa de Pós- Graduação - Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul. E, tem como objetivo compreender e analisar a práxis do Educador/a Social em seu trabalho, mediado por suas experiências. Os sujeitos da pesquisa são quatro Educadores/as Sociais e quatro usuários do Sistema Único de Assistência Social, que participam de atividades socioeducativas nos Centros de Referência de Assistência Social, em um município da região metropolitana de Porto Alegre. Schwartz (2010) explica que as experiências proporcionam compreensões e conhecimentos sobre diferentes situações, não como acumulação de um saber, mas com um movimento capaz de construir saberes. Nas ações educativas, de acordo com Thompson (2002), a experiência é capaz modificar todo o processo de forma dialética, já que o educador/a não vai ser um transmissor, mas um mediador do conhecimento. Nesse sentido, Brandão e Borges (2008) apontam que o trabalho do educador/a está em constante experiência dialógica, proporcionando a troca de conhecimentos entre os sujeitos envolvidos no processo educativo. A metodologia utilizada na pesquisa caracteriza-se como qualitativa de caráter exploratório, descritiva-analítica e apresenta elementos de pesquisa participante. Como instrumentos de coleta de dados estão sendo utilizados: diário de campo, observação participante e entrevistas. Os dados encontrados serão analisados por meio do materialismo histórico dialético. Os primeiros resultados sugerem que o trabalho do educador/a social é construído por meio das mediações de suas experiências em diálogo com as experiências dos educandos/as. Esse processo marca e constrói suas práxis profissionais, dentro de um contexto histórico social, para além das orientações técnicas e conhecimentos normalizados.


Texto completo: Resumo

Apontamentos

  • Não há apontamentos.