A pedagogia da alternância em Rondônia: alguns apontamentos críticos a partir dos estudos culturais

Alberto Dias Valadão, José Licínio Backes

Resumo


O propósito deste artigo é trazer alguns apontamentos críticos a partir dos Estudos Culturais sobre a Pedagogia da Alternância, que foi criada na França na década de 1920 e chegou a Rondônia no final da década de 1980. Os Estudos Culturais, campo epistemológico escolhido para este estudo, vê a cultura como prática produtiva envolvida em relações de poder, inclusive no sentido de fabricar meios de regular as condutas, ações e modos de ser e de pensar, sendo, portanto, as identidades e diferenças produzidas histórica e culturalmente. As entrevistas, observações e análises de documentos, como o Projeto Político Pedagógico e o Plano de Curso do Centro Familiar de Formação em Alternância (CEFFA) de Ji-Paraná (RO), onde se deu este trabalho, mostraram que essa prática pedagógica tem objetivado a produção de sujeitos cidadãos conscientes, autônomos, homogeneizados, privilegiando, para alcançar o seu intento, os conhecimentos chamados científicos e as normas internas criadas pelas famílias para regular e controlar as práticas e comportamentos dos sujeitos que ali estudam e trabalham.

Palavras-chave


Pedagogia da Alternância; Estudos Culturais; Sujeito Crítico e Autônomo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.11274