Hidronegócio em questão: empoderamento dos atores regionais no contexto da descentralização da geração e gestão da energia elétrica

Autores

  • Sadi Baron UNISC E UnC
  • Virginia Elisabeta Etges Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

DOI:

https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.11466

Palavras-chave:

Hidronegócio. Descentralização. Desenvolvimento Regional.

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão sobre o modelo centralizado de produção de energia elétrica no Brasil, com destaque para a fonte hidrelétrica, realizada por meio da construção de barragens e usinas, que geram fortes impactos sociais e ambientais. Esse modelo, que opera de forma verticalizada, interligado de norte a sul, fez da energia elétrica uma mercadoria, uma commodity, que favorece o desenvolvimento do Hidronegócio. Dessa forma atende aos interesses de grandes grupos econômicos, empreiteiras, bancos, fornecedoras de equipamentos, grandes consumidores e empresas de consultoria que visam unicamente o aumento dos seus lucros. Para se contrapor a esse modelo, que concentra e exclui, é necessário que ocorra a desconcentração da produção de energia elétrica e o aproveitamento dos potenciais regionais, como a biomassa residual, possibilitando o empoderamento das comunidades, visando a promoção do desenvolvimento regional.

Biografia do Autor

Sadi Baron, UNISC E UnC

Professor e Doutorando em Desenvolvimento Regional

Virginia Elisabeta Etges, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Doutora em Geografia, docente e pesquisadora do Curso Graduação em Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional – PPGDR da UNISC

Downloads

Publicado

2017-07-05

Edição

Seção

Artigos