Do impensável ao instituído: a ação coletiva dos catadores de materiais recicláveis na cidade de Santa Cruz do Sul

Autores

  • Cristiano Benites Oliveira
  • César Hamilton Brito Góes

DOI:

https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.14596

Resumo

A inclusão dos catadores na agenda de políticas de gestão de resíduos na cidade de Santa Cruz do Sul, que culminou com a celebração de contratos de prestação de serviços públicos, foi o resultado da ação coletiva realizada pelos catadores articulados no Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), com o apoio de demais organizações da sociedade e do Estado em nível local. Houve a ocorrência de um processo em que os catadores articulados junto ao MNCR passaram de excluídos a prestadores de serviço de destinação final e coleta seletiva de resíduos neste município. Neste artigo, realizamos a interpretação sociológica desse processo e de seus limites por meio de categorias como estigma, frames de ação coletiva e repertório de conflito presentes na literatura específica sobre relações excludentes e sobre movimentos sociais. Como forma de conferir rigor hermenêutico, será utilizado material empírico do MNCR, e também, referências de estudo da dissertação e da tese de um dos autores. (OLIVEIRA, 2010; 2016) Para descrever os limites da institucionalização no contexto local serão empregados estudos sobre esse conceito e sobre a estagnação da coleta seletiva feita pela Cooperativa dos Catadores de Santa Cruz do Sul (COOMCAT). Ao final, com base na descrição desse processo contencioso, elaboraremos algumas considerações sobre o conflito que se estabelece em torno da gestão de resíduos nesta localidade. Palavras-chave: Catadores de materiais recicláveis; frames de ação coletiva; gestão de resíduos sólidos

Downloads

Publicado

2019-12-13

Edição

Seção

Artigos