O BRINCAR COMO ESPAÇO DE PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Autores

  • Luís Fernando Barnetche Barth
  • Larissa Introvini Mroginski
  • Betânea Perreira Rezende
  • Dilce Cervieri
  • Jacqueline Silva Damaceno
  • Karoline Rochelle Lacerda Peres

DOI:

https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i37.2441

Palavras-chave:

Crianças e adolescentes abrigados, brincar, prevenção, intervenção

Resumo

As situações de abrigamento de crianças e adolescentes são medidas protetivas contra ameaças ou violações dos direitos garantidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ainda que com o intuito de preservar a integridade do sujeito, o abrigamento pode representar um perigo ao desenvolvimento psíquico por ser um evento traumático e por oferecer, em troca dos laços familiares, vínculos instáveis e relações afetivas apenas temporárias. O presente artigo relata a experiência de um projeto de extensão voltado às crianças e aos adolescentes de duas casas abrigo do município de [nome da cidade] (Estado), no qual a equipe executora utilizou-se da manifestação das fantasias e da expressão de situações conflitivas a partir da proposição de atividades lúdicas variadas. O trabalho evidenciou diferentes formas de abandono experimentadas pelos abrigados. Durante o período do desenvolvimento do projeto, observou-se o aumento da autonomia das crianças e adolescentes, maior capacidade de expressão e de elaboração de situações conflitivas e melhor integração com a equipe e com os monitores.

Downloads

Publicado

2013-01-22

Edição

Seção

Relatos de Experiência