AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA EM CUIDADORES FAMILIARES DE PACIENTES DE UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

Mariana Caramore Fava, Nilson Rogerio Silva, Meire Luci Silva

Resumo


Com a reforma psiquiátrica o modelo de atenção à saúde mental sofreu transformações, retirando a centralização do poder do hospital psiquiátrico por meio da implantação de programas e serviços substitutivos de atenção e cuidado aos sujeitos em sofrimento psíquico, sendo que uma das principais estratégias adotadas é a consolidação dos Centros de Atenção Psicossocial. O retorno do sujeito ao convívio familiar após longos anos de internação coloca em questão a dificuldade do convívio social e familiar, assim como a retomada dos cuidados da família em relação a este. Assumir os cuidados de um paciente psiquiátrico pode gerar sobrecarga e muitas vezes, significa renunciar às próprias necessidades, projetos e desejos, colocando os do paciente/familiar em primeiro plano. A presente pesquisa tem por objetivo investigar a presença de indicadores de sobrecarga em cuidadores informais de pessoas com transtornos mentais atendidas em um Centro de Atenção Psicossocial - CAPS de um município do interior de São Paulo. Participaram da presente pesquisa 37 cuidadores informais de pessoas com transtornos mentais. Para coleta de dados foram utilizados dois instrumentos: um roteiro de entrevista para caracterização da amostra e o protocolo ZaritBurden Interview (ZBT) para avaliar a presença de indicadores de sobrecarga. Os dados foram analisados de acordo com os escores atribuídos no manual de aplicação da escala padronizada. Os resultados obtidos revelam o predomínio da sobrecarga moderada e modera da severa (78%), indicando a necessidade de intervenção junto aos cuidadores no sentido de desenvolver estratégias que favoreçam o cuidado e ao mesmo tempo preservem sua saúde.

Palavras-chave


Sobrecarga de trabalho. Cuidadores informais. Paciente com transtornos mentais

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v2i41.4690