A família e o cuidado em saúde mental no contexto da religião pentecostal na Região Amazônica

Autores

  • Ozéas Miranda de Andrade
  • José Juliano Cedaro Universidade Federal de Rondônia – UNIR
  • Eraldo Carlos Batista Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR http://orcid.org/0000-0002-7118-5888

DOI:

https://doi.org/10.17058/barbaroi.v2i52.7148

Palavras-chave:

Saúde Mental, Família, Doença Mental, Religião, Religião Pentecostal

Resumo

O presente artigo teve por objetivo analisar a compreensão da família acerca do sofrimento mental no contexto religioso do pentecostalismo na Amazônia. Delineada a partir de uma abordagem qualitativa de orientação fenomenológica, teve como instrumento para coleta de dados a entrevista semiestruturada, com a participação de cinco representantes de famílias evangélicas pentecostais que cuidam de um familiar em tratamento psiquiátrico. O tratamento do material empírico foi desenvolvido de acordo com a metodologia fenomenológica, com ênfase na análise temática, que consiste em uma modalidade de Análise de Conteúdo. Os resultados organizados em categorias evidenciaram que a família percebe o sofrimento mental a partir de suas vivências religiosas e busca encontrar na fé e na oração elementos essenciais no processo de cura e amparo. A análise das entrevistas ainda permitiu evidenciar que a incompreensão da família e/ou de alguns líderes religiosos concernente ao sofrimento mental influência de forma negativa a busca ou a continuidade do tratamento psiquiátrico.

Biografia do Autor

Ozéas Miranda de Andrade

Bacharel em Psicologia

José Juliano Cedaro, Universidade Federal de Rondônia – UNIR

Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia – UNIR

Eraldo Carlos Batista, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Doutor em Psicologia Social pela PUCRS, Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Especialista em Saúde Mental. Professor no Departamento de Psicologia da Faculdade Católica de Rondônia - FCR.

Downloads

Publicado

2018-07-05

Edição

Seção

Artigos