Percepção sobre a mediação judicial familiar pelos pais em casos de disputa de guarda de filhos

Zeno Germano de Souza Neto, Milena Nardini Bubols, Tatiana Quarti Irigaray

Resumo


Este artigo apresenta uma pesquisa que teve o objetivo de identificar como os pais que participaram de mediação judicial em casos de guarda de filho compreendem o processo de mediar conflitos e os resultados desse trabalho. Participaram 22 indivíduos que estiveram em litígio em razão da guarda de seus filhos nas Varas de Família do Tribunal de Justiça de Rondônia e que fizeram um acordo a partir do trabalho de mediação judicial dos conflitos. Para a coleta de dados, foi utilizada uma entrevista semiestruturada. Os dados foram tratados pelo método de Análise de Conteúdo e analisados por meio da literatura sobre mediação familiar. Na análise dos dados, houve percepções da mediação como um procedimento eficaz, eficiente para trabalhar os conflitos familiares e como um atendimento recomendável para outros indivíduos. A maior parte dos dados indicou que os participantes assimilaram os objetivos da mediação, foram cooperativos e se sentiram satisfeitos com o atendimento que receberam, resultando no fim da disputa processual. Houve críticas negativas também referentes ao atendimento e aos resultados da mediação. No entanto, concluiu-se que, para a maioria dos participantes, os acordos judiciais obtidos por mediação em casos de disputas pela guarda dos filhos foram mantidos e promoveram uma melhoria da comunicação entre os pais durante a mediação


Palavras-chave


Mediação; Família; Resolução de conflitos

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, T. (2015). A mediação familiar no contexto da guarda compartilhada. Recuperado de https://mediare.com.br/a-mediacao-familiar-no-contexto-da-guarda-compartilhada/

Alves, A. P., Cúnico, S. D., Arpini, D. M., Smaniotto, A. C., & Bopp, M. E. T. (2014). Mediação familiar: possibilitando diálogos acerca da guarda compartilhada. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 9(2), 193-201. Recuperado de http://seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/927

Andrade, J. C., & Bueno, E. M. (2013). Guarda compartilhada e mediação familiar: Um estudo exploratório no fórum de Mogi Mirim-SP. Universitas, 6(10), 51-72. Recuperado de http://www.revistauniversitas.inf.br/index.php/UNIVERSITAS/article/view/15

Aréchaga, P., Brandoni, F., & Finkelstein, A. (2004). Acerca de la clínica de mediación: Relatos de casos. Colección Visión Compartida. Buenos Aires: Librería Histórica.

Azevedo, A. G. (2015). Manual de Mediação Judicial. Recuperado de https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2015/06/f247f5ce60df2774c59d6e2dddbfec54.pdf

Azungah, T. (2018). Qualitative research: deductive and inductive approaches to data analysis. Qualitative Research Journal, 18(4), 383-400. doi: 10.1108/QRJ-D-18-00035

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (Edição revista e ampliada). Lisboa: Editora 70.

Boechat, I. T., Cabral, H. L. T. B., & Souza, C. H. M. (2015). A comunicação da família caracterizada pela pseudomutualidade e pelo duplo vínculo. Recuperado de http://www.fsj.edu.br/transformar/index.php/transformar/article/view/42

Busnello, S. J., & Santos Sobrinho, E. O. (2015). A função social da mediação. Revista Eletrônica Direito e Política, 10(3), 1558-1582. Recuperado de http://www.univali.br/direitoepolitica - ISSN 1980-7791.

Cézar-Ferreira, V. V. A. M. (2009). A comunicação da família no Judiciário. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/1394/139422410006.pdf

Correia, M. J. S. F. (2011). Mediação familiar: Um contributo para a promoção da relação entre pais em desacordo (Dissertação de Mestrado). Universidade de Açores, Portugal. Recuperado de https://docplayer.com.br/8686419-Universidade-dos-acores-mediacao-familiar-um-contributo-para-a-promocao-da-relacao-entre-pais-em-desacordo.html

Cúnico, S. B., Arpini, B. M., Mozzaquatro, C. D. O., Silva, M. L., & Bopp, M. E. T. (2012). Psicologia e mediação familiar em um núcleo de assistência judiciária. Boletim de Psicologia, 62(137), 141-154. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432012000200004

Chrystêllo, A. A. C. S. (2014). Os menores e a mediação familiar (Dissertação de Mestrado). Universidade Autônoma de Lisboa, Portugal.

Chriso, C. M., & Cerdotes, A. (2016). A guarda compartilhada e a mediação familiar como forma de reestruturar os partícipes do núcleo familiar. In: XVII Seminário Nacional de demandas sociais e políticas públicas na sociedade contemporânea. II Mostra nacional de trabalhos científicos. UNISC. Recuperado de https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/snpp/article/view/14699

Dias, F. A., & Souza, J. L. (2013). O mediador (perfil, atuação e ética) na resolução dos conflitos. Revista Jurídica (FURB), 17(34), 225-251. Recuperado de https://gorila.furb.br/ojs/index.php/juridica/article/view/4059

Diniz, H. C., & Malta, S. C. F. (2016). Mediação de conflitos familiares: possíveis contribuições. Synthesis Revista Digital FAPAM, 5(5), 70-94. Recuperado de https://periodicos.fapam.edu.br/index.php/synthesis/article/view/82

Germano, Z. (2017). Psicologia Jurídica e Psicanálise: Reflexões teóricas e práticas. São Paulo, SP: Baraúna.

Gonçalves, A. M. (2015). A mediação como meio de resolução de conflitos familiares. Recuperado de http://www.pucrs.br//wp-content/uploads/sites/11/2018/09/amanda_goncalves.pdf

Gray, D. E. (2012). Pesquisa do mundo real. Porto Alegre, RS: Penso.

Gruspun, H. (2000). Mediação Familiar – O mediador e a separação de casais com filhos. São Paulo, SP: LTR.

Kammer, I., & Busnello, S. J. (2015). O uso da mediação de conflitos como solução nas lides contratuais. Anais do Congresso Catarinense de Direito Processual Civil. Recuperado de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/accdp

Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm

Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei nº 9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto nº 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2º do art. 6º da Lei nº 9.469, de 10 de julho de 1997. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13140.htm

Melo, K. A. L. (2013). Mediação de conflitos familiares: Relação entre os saberes da psicologia e do direito no campo jurídico (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. Recuperado de http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10138

Miranda Júnior, H. C. (2010). Um psicólogo no Tribunal de Justiça: A prática na interface entre Direito e Psicanálise. Belo Horizonte, BH: Arte Sã.

Molgora, S., Ranieri, S., & Tamanza, G. (2014). Divorce and coparenting: A qualitative study on family mediation in Italy. Journal of Divorce & Remarriage, 55(4), 300-314. doi: 10.1080/10502556.2014.901854

Molinari, F. (2016). Mediação de conflitos e alienação parental: Fundamentos teóricos e práticos. Porto Alegre, RS: Imprensa Livre.

Muller, F. G. (2007). Competências profissionais do mediador de conflitos familiares (Dissertação de Mestrado). Universidade de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil.

Parkinson, L. (2005). Mediación familiar teoria y práctica: Principios y estrategias operativas. Barcelona, ES: Gedisa.

Pratas, S. I. S. (2012). Guarda partilhada: estudo exploratório (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Trindade, J & Molinari, F. (2015). Temas de Psicologia Forense. Porto Alegre, RS: Imprense livre.

Resolução nº 125, de 29 de novembro de 2010. Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Recuperado de https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/atos-normativos?documento=156

Rezende, J. C. O. (2015). Da judicialização à psicologização dos conflitos: A presença da psicologia na mediação dos conflitos (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Rudd, B. N., Hotzworth‐Munroe, A., Applegate, A. G., D'Onofrio, B. M., Ballard, R. H., & Bates, J. E. (2015a). Associations between parent and child reports of interparental conflict/violence and child difficulties in a family mediation setting. Family Court Review, 53(4), 602-616. doi: 10.1111/fcre.12176

Rudd, B. N., Ogle, R. K., Holtzworth-Munroe, A., Applegate, A. G., & D'Onofrio, B. M. (2015b). Child-informed mediation study follow-up: Comparing the frequency of relitigation following different types of family mediation. Psychology, Public Policy, and Law, 21(4), 452- 457. doi: 10.1037/law0000046

Rosenberg, M. B. (2006). Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. São Paulo, SP: Editora Agora.

Sales, L. M. M., & Chaves, E. C. C. (2014). Mediação e conciliação judicial: a importância da capacitação e de seus desafios. Seqüência: estudos jurídicos e políticos, 35(69), 255-280. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4934138

Montoya Sánchez, M. Á. (2010). Mediación y Terapia o de la Forma de Tratar Integralmente el Conflicto de Familia. Revista Trabajo Social, (9). Recuperado a partir de https://revistas.udea.edu.co/index.php/revistraso/article/view/5279

Serrano, G. (2008). Eficacia y mediación familiar. Boletín de Psicología, 92, 51-63. Recuperado de https://www.uv.es/seoane/boletin/previos/N92-3.pdf

Shine, S (2010). A espada de Salomão: A psicologia e a disputa de guarda de filhos. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Souza Neto, Z. G., D’Ávila, M. M., & Honorato, B. G. (2018). O conflito familiar atendido em mediação judicial. In E. C. Batista, & Z. G. Souza Neto, Interdisciplinaridade em psicologia na Amazônia: saúde, educação e sociedade (pp. 39-51). Curitiba, PR: Editora CRV.

Spengler, F. M., & Marcântonio, R. (2013). A Mediação como forma de tratamento de conflitos decorrentes da guarda de filhos. Revista Brasileira de Direito, IMED, 9(1), 78-97. doi: 10.18256/2238-0604/revistadedireito.v9n1p78-97

Teixeira, A. T. J., Froes, R. C., & Zago, E. C. (2012). A comunicação e o relacionamento da família atual em virtude dos novos tempos. Revista eletrônica de comunicação, 1(1). Recuperado de http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rec/article/view/422

Villaluenga, L. G., & Cartujo, I. (2010). La família dialoga y llega a acuerdo: Mediacion familiar. Recuperado de http://www.madrid.org/bvirtual/BVCM007215.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v5i1.14950

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter