O entorpecimento do trabalhador como estratégia de controle social no Brasil

Alexandre João Appio, Nadir Lara Junior

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre o entorpecimento do trabalhador pelo consumo de psicotrópicos como estratégia de controle social. Apresentamos aspectos teóricos e práticos sobre a realidade de entorpecimento dos trabalhadores brasileiros, para tanto partimos de pesquisas quantitativas realizadas sobre o consumo de psicotrópicos no Brasil e de pesquisas qualitativas sobre o estado de torpor. A partir desses elementos apresentamos as consequências sociais e políticas que repercute diretamente sobre a compreensão da prática política contemporânea.

Palavras-chave


Entorpecimento. Psicotrópicos. Trabalhador.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANS (1998). Portaria n.º 344 - Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasília, DF.

Appio A.J. (2012) Dinâmica Social da Automedicação. (Dissertação de mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos). Recuperado de http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/tede/AlexandreJoaoAppio.pdf.

Catroli V.S.C., Rosa M.D., & Vicentin M.C. (2009) Viver em tempos sombrios: a experiência e os laços com os contemporâneos. Psicologia em Revista. 15(1): pp. 51-68.

Couto E.S., & Goellner S.V., (Orgs.) (2007). Corpos Mutantes. Ensaios sobre novas (d)eficiências corporais. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Ferreira C.M. (2011) Adoecimento Psíquico de professores: Um estudo de casos em escolas estaduais de educação básica numa cidade mineira. (Dissertação de Mestrado, Faculdades Integradas Pedro Leopoldo). Pedro Leopoldo, MG.

Foucault M. (1984) Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Freud S. (1930/1997) O Mal Estar na Civilização. Rio de Janeiro: Imago.

Grevet E.H., Cordioli A.V., & Fleck M.P.A. (2005) Depressão Maior e distimia: Diretrizes e algoritmo para o tratamento farmacológico. Porto Alegre: Artmed.

Illich I. (1975) A expropriação da saúde: nêmeses da medicina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Laclau E., &Mouffe C. (2004) Hegemonia y Estratégia Socialista. Hacia una Radicalización de la Democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica.

Lara Junior N., & Santos Lara A.P. (2013). Estado de torpor como “troco” na operação económica capitalista. Analytica. 1(2): 10-32.

Lipovetsky G. (2007) A felicidade paradoxal. Ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Machado R., Loureiro A., Luz R., & Muricy K. (1978). A danação da norma. Rio de Janeiro: Graal.

Melman C. (2003) O homem sem gravidade: gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Moulin A.M. (2008) O corpo diante da medicina. In: Corbin A, Courtine J. Vigarello G, organizadores. História do corpo: as mutações do olhar: o século XX. Petrópolis, RJ: Vozes.

Perez C.P., & Passos J. (2014). O excesso de medicação em uma sociedade que precisa ser feliz. Rev Com Ciência - ISSN 1519-7654. Recuperado de : http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=105&id=1257

Pignarre P. (2012) Comment la dépression est devenue une épidémie.Paris: La Découverte.

Roudinesco E. (2000) Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Safatle V. (2005) Depois da Culpabilidade: Figuras do Supereu na Sociedade de Consumo. In: Dunker C., Prado J.L.A. Zizek crítico. Política e Psicanálise na Era do Multiculturalismo. (pp. 115-135) São Paulo, SP: Hucitec.

Segat E., & Diefenthaeler H.S. (2013). Uso de medicamentos antidepressivos por professores de escolas de diferentes redes de ensino em um município do norte do Rio Grande do Sul. Rev. PERSPECTIVA. 37(137): pp. 45-54.

Temporão J.G. (1986) A propaganda de medicamentos e o mito da saúde. Rio de Janeiro: Graal.

Zizek S.(1992) Eles não sabem o que fazem. O sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v1i1.9887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter