AS CONDIÇÕES DE (IM)POSSIBILIDADE DA EXPERIÊNCIA EM JOHN DEWEY E JORGE LARROSA: algumas aproximações

Dariane Carlesso, Elisete Medianeira Tomazetti

Resumo


Resumo: Este artigo tem por objetivo a reflexão sobre as condições para que o acontecimento ou a construção/reconstrução da experiência possam fazer parte do processo de constituição do sujeito. Duas fontes teóricas serão as principais fundamentadoras desta escrita: John Dewey e Jorge Larrosa. Estes autores apresentam contribuições singulares para o campo de problematização do conceito de experiência e, por isso, merecem nossa atenção. Dentre as teses de John Dewey (1859-1952), filósofo norte-americano que nos deixou um imenso legado filosófico educacional, encontramos a defesa de um processo educativo pautado na ideia de educação como construção e reconstrução da experiência. Jorge Larrosa é professor de Filosofia da Educação na Universidade de Barcelona, na Espanha, e autor de várias publicações sobre educação. Dentre seus trabalhos destacamos: “Notas sobre a experiência e o saber de experiência” (2002) e “Saber e Educação” (2007), aos quais nos reportamos na escrita deste artigo, dada a propriedade com que os conceitos de experiência e educação são neles abordados. A problematização deweyana sobre o conceito de experiência é amplo. Diversas são as obras que dão suporte a este tema; no entanto, citamos como principais: Experiência e educação (1971), Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo (1959a), Democracia e educação (1959b), Vida e educação (1973).

Palavras-chave


Educação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i2.2204



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo