Disfunção da articulação sacroilíaca e a influência na flexão de tronco e no ângulo Q de joelho – estudo de caso

Henrique Nogaroto, Egberto dos Santos, Juliano de Oliveira, Tiago Franklin Lucena

Resumo


Objetivo: avaliar a influência da disfunção da articulação sacroilíaca na mecânica do movimento articular e ângulo de flexão do tronco, assim como, da alteração do ângulo Q de joelhos. Método: a amostra do estudo foi composta por um indivíduo do sexo masculino, assintomático e sem histórico pregresso de manifestação de sintomas que envolvam a articulação sacroilíaca e membros inferiores, avaliado previamente pelo teste TFP (teste de flexão em pé) e GILLET. Os testes de flexão de tronco e ângulo Q de joelho foram realizados pré e pós intervenção. Os dados foram coletados através da cinemetria e trabalhados em softwares específicos, para obtenção dos dados finais do estudo. Resultados: variações não conclusivas foram observadas no ângulo relativo de tronco e na distância dedo chão, porém, na análise do ângulo Q, observou-se maior estabilidade deste no segmento tratado pela intervenção terapêutica. Considerações finais: a terapia manipulativa da articulação sacroilíaca, mostrou-se favorável à correção dos movimentos do joelho, principalmente quando relacionada à estabilidade do ângulo Q.

Texto completo:

PDF

Referências


Ramírez CR, Lemus DMC. Disfunção da articulação sacroilíaca em jovens com dor

lombar. Rev Fisioter Mov 2010;23(3): 419-428. doi: 10.1590/S0103-51502010000300009

Almeida GPL. Relação do valgo dinâmico do joelho com a força muscular do quadril e

tronco em indivíduos com síndrome patelofemural. São Paulo: Faculdade de Medicina da

Universidade de São Paulo. Programa de Ciências da Reabilitação; 2013. doi:

11606/D.5.2013.tde-03102013-104908

Peres CPA, Risso L, Oliveira LU. Efeitos da manipulação do ilíaco na descarga de peso no

retropé em indivíduos com disfunção sacro-ilíaca. Rev Ter Man 2011;9(42):150-154. doi:

4034/RBCS.2013.17.02.11

Carregaro RL; Silva LCCB; Gil Coury HJC. Comparação entre dois testes clínicos para

avaliar a flexibilidade dos músculos posteriores da coxa. Rev Bras Fisioter 2007;11(2):125-

doi: 10.1590/S1413-35552007000200009

Thomson O, Haig L, Mansfield H. The effects of hight-velocity low-amplitude thrust

manipulation and mobilisation techniques on pressure pain threshold in the lumbar spine.

Internat Jor Osteo Med 2009;12:56-62. doi: 10.1016/j.ijosm.2008.07.003

Briganó JU, Macedo CSG. Análise da mobilidade lombar e influência da terapia manual e

cinesioterapia na lombalgia. Rev Semina: Ciên Biol e da Saúde 2005;26(2):75-82. doi:

5433/1679-0367.2005v26n2p75

Grossi DB, Felicio LR, Simões R, Coqueiro KRR e Pedro VM. Avaliação eletromiográfica

dos músculos estabilizadores da patela durante exercício isométrico de agachamento em

indivíduos com síndrome da dor femoropatelar. Rev Bras Med Esporte 2005;11(3):159-163.

doi: 10.1590/S1517-86922005000300001

Zatarin V, Bortolazzo GL. Efeitos da manipulação na articulação sacro-ilíaca e transição

lombossacral sobre a flexibilidade da cadeia muscular posterior. Rev Ter Man

;10(47):40-45. doi: 10.13140/RG.2.1.4093.5448

Brito JD, Souza TMM, Santos HH. Efeitos da terapia manual no tratamento da disfunção

do ilíaco: relato de caso. Rev Brasil Ciênc Saúde 2013;17(2):175-180. doi:

4034/RBCS.2013.17.02.11

Sacco ICN, Aliberti S, Tessuti V, Costa MSX, Gomes DR, Hamamoto AN. Influência de

uma única intervenção instrutiva fisioterapêutica na flexibilidade global e amplitude angular

do quadril durante a flexão do tronco 2006;14-23. doi: 10.1590/fpusp.v13i3.76299

Lerena MAM. Efeitos da Manipulação Sacroilíaca sobre a simetria e a mobilidade

lombopélvica na avaliação radiológica e na realização da marcha. Rio Claro: Universidade

Estadual Paulista. Programa de Pós-graduação em Ciências da Motricidade; 2008. doi:

cbf

Smith TO, Hunt NJ, Donell ST. The reliability and validity of the Q-angle: a systematic

review. Knee Surg Sports Traumat Arthrosc 2008;16(12):1068-1079. doi: 10.1007/s00167-

-0643-6.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rips.v1i1.11937

Apontamentos

  • Não há apontamentos.