Agente comunitário de saúde na atenção integral à saúde da mulher: dificuldades para o desenvolvimento das ações

Luciane Maria Schmidt Alves, Francieli Ester Muller, Guilherme Mocelin, Emanuella dos Santps Vargas, Vera Elenei da Costa Somavilla, Suzane Beatriz Frantz Krug

Resumo


Objetivo: identificar as principais dificuldades e anseios apontados pelos Agentes Comunitários de Saúde em relação ao desenvolvimento das ações de saúde da mulher junto à comunidade. Método: estudo qualitativo de caráter descritivo exploratório, realizado com 102 Agentes Comunitários de Saúde que atuam na rede básica de saúde do município de Santa Cruz do Sul. A coleta de dados ocorreu durante a realização de uma atividade educativa, mediante o preenchimento de um formulário autoaplicável contendo um roteiro de questões semiestruturadas. A exploração dos dados ocorreu através da análise temática. Resultados: as principais dificuldades evidenciadas pelos Agentes Comunitários de Saúde foram os obstáculos referentes ao acesso da população aos serviços de saúde, como distância entre as residências e unidades de saúde, os horários dos atendimentos e restrição da disponibilidade do transporte coletivo. No que se refere a baixa adesão da população feminina aos serviços de atenção à saúde da mulher, fatores como baixo grau de escolaridade, precárias condições de vida, aspectos culturais e crenças equivocadas sobre o processo saúde-doenças são apontados como causas desse contratempo. Em relação as fragilidades encontradas pelos Agentes Comunitários de Saúde, destacam a falta de conhecimento sobre patologias para realizar orientações e desenvolver ações de educação em saúde. Conclusão: a saúde da mulher caracteriza-se por ser uma área repleta de especificidades e peculiaridades, necessitando de condutas diferenciadas para efetivação do cuidado.  O Agente Comunitário de Saúde se configura como elemento primordial neste âmbito, visto que atua diretamente no âmago da comunidade, sendo um mediador entre o serviço de saúde e os usuários.


Palavras-chave


Agentes Comunitários de Saúde; Educação em Saúde; Saúde da Mulher; Atenção Primária à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990.

Brasil. Lei nº 10.507, de 10 de julho de 2002. Cria a Profissão de Agente Comunitário de Saúde e dá outras providências. Brasília, 2002.

Lorenzi CG, Pinheiro RL. A (des)valorização do agente comunitário de saúde na Estratégia Saúde da Família. Rev Ciência & Saúde Coletiva, 21(8):2537-2546, 2016. doi: 10.1590/1413-81232015218.19572015

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006. Regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2o da emenda constitucional nº 51, de 14 fev. 2006, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 5 Out 2006.

Aquino MGC. O Agente Comunitário de Saúde na atenção à gestante e à puérpera: repercussões de uma estratégia de educação permanente. Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2014.

Minayo MC. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec, 2010.

Graça BC, Mariano MM, Gusmão MAJX, Cabral JF, Nascimento VF, Gleriano JS, Hattori TY, Trettel ACPT. Dificuldades das mulheres privadas de liberdade no acesso aos serviços de saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, 31(2): 1-9, abr./jun., 2018.

Pitilin EB, Lentsck MH. Atenção Primária à Saúde na percepção de mulheres residentes na zona rural. Rev Esc Enferm USP, 49(5):726-732, 2015. doi: DOI: 10.1590/S0080-623420150000500003

Junior JCO, Oliveira LD, Sá RM. Fatores de adesão e não adesão das mulheres ao exame colpacitológico. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. Vol.06, N°. 01, Ano 2015.

Rodrigues KAF, Santos ZMSA, Santos PDS, Bezerra KAF, Carneiro RF, Aguiar ACT, Rolim KMC, Frota MA. Adesão da mulher hipertensa ao estilo de vida saudável: uma tecnologia educativa em saúde. Revista Campo Abierto, v. 37, n. 1, p. 107-118, 2018.

Ferreira MM, Ferreira S, Ferreira N, Andrade J, Duarte J. Adesão ao Rastreio do Cancro do Colo do Útero e da Mama da Mulher Portuguesa. Millenium, 47 (jun/dez). Pp. 83‐96, 2014.

Torres GMC, Figueiredo IDT, Cândido JAB, Pinto AGA. Comunicação terapêutica na interação profissional de saúde e hipertenso na estratégia saúde da família. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(4):e2016-0066, 2017. doi: 10.1590/1983-1447.2017.04.2016-0066

Carneiro RF, Silva NC, Alves TA, Albuquerque DO, Brito DC, Oliveira LL. Educação sexual na adolescência: uma abordagem no contexto escolar. Revista Sanare, Sobral, V.14, n.01, p.104-108, jan./jun. 2015.

Ribeiro VCS, Nogueira DL, Assunção RS, Silva FMR, Quadros KAN. Papel do enfermeiro da estratégia de saúde da família na prevenção da gravidez na adolescência. Revista Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, jan/abr; 1(6):1957-1975, 2016.

Souza LL. Representações de gênero na prática de enfermagem na perspectiva de estudantes. Revista Ciências & Cognição ; Vol 19(2) 218-232, 2014.

Netto LA, Pereira ER, Tavares JMAB, Ferreira DC, Broca PV. Atuação da Enfermagem na conservação da saúde de mulheres em situação de violência. Revista Mineira de Enfermagem, 2018. doi: 10.5935/1415-2762.20180080

Sehnem GD, Lopes EB, Tier CG, Ribeiro AC, Maciel VQS, Castilhos L. Violência contra as mulheres: atuação da enfermeira na atenção primária à saúde. Revista de Enfermagem da UFSM. Santa Maria, v.9, e62, p. 1-19, 2019.

Justo CM, Duque A, Lopes QS, Carvalho ES, Moreno AC, Silva R, Santos VK, Bandeira GF. Acessibilidade em unidade básica de saúde: a visão de usuários e profissionais. Revista de Saúde Coletiva UEFS, Feira de Santana, 7(1): 16-23, 2017. doi: http://dx.doi.org/10.13102/rscdauefs.v7i1.1187

Nicésio MG, Oliveira ISB, Alves MI, Alvez AC, Carvalho VV, Lenza NFB. Perfil de gestantes atendidas na atenção primária em uma cidade do interior de Minas Gerais. Revista de Iniciação Científica da Libertas. São Sebastião do Paraíso, v. 8, n.1, ago. 2018.

Coelho JG, Vasconcelos LCF, Dias EC. A formação de agentes comunitários de saúde: construção a partir do encontro dos sujeitos. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 16 n. 2, p. 583-604, 2018. doi:https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00113

Santos PZ, Dias JI, Alves RB. Educação permanente sobre a atenção psicossocial em situação de desastres para agentes comunitários de saúde: um relato de experiência. Rev. Saúde em Debate, São Paulo, v. 43 n.3. p. 200-208, 2020. doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S315




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rips.v3i1.15776

Apontamentos

  • Não há apontamentos.