Competência comunicativa e abordagem comunicativa: Dell Hymes fragmentado

Virgilio Almeida

Resumo


Em seu seminal On Communicative Competence (1972), Dell Hymes apresentou argumentos para defender que o conceito de ‘competência’ de Chomsky (o falente ideal em uma comunidade de língua homogênea) é, de certo modo, incompleto. Para Hymes, mais do que adquirir as regras formais da língua, os falantes nativos também adquirem outras regras (sociolinguísticas) que podem igualmente ser analisadas e descritas. Embora Hymes não se referisse a aprendizagem de segunda língua, seu artigo influenciou outros que apresentaram novas abordagens para o ensino de segunda língua em uma época na qual o método áudio-lingual já dava mostras claras de enfraquecimento. Este artigo analisa como os manuais didáticos da chamada abordagem comunicativa se apropriaram dos quatro pilares de Competência Comunicativa propostos por Hymes, a saber, língua que é (i) “formalmente possível”, (ii) “viável, considerando-se os meios de implementação possíveis”, (iii) “apropriada em relação ao contexto em que é usada e avaliada” e (iv) “de fato realizada”. Análise de comportamento típico em sala de aula, de conteúdo de manuais didáticos de EFL e da prática dos professores – em particular em relação à cobrança de uma pronúncia igual ou semelhante à do falante nativo – indica que ainda é o modelo de competência gramatical/estrutural apresentado por Chomsky que serve de molde para o aprendiz.

Palavras-chave


Competência Comunicativa; Abordagem Comunicativa; Manuais didáticos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v35i59.1405

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo