IMPACTO DO DIAGNÓSTICO ONCOLÓGICO NO MEIO FAMILIAR: O PAPEL DA PSICO-ONCOLOGIA

Daniela Tomazi Dossena, Dulce Grasel Zacharias

Resumo


Este trabalho foi realizado através do estágio efetivado no Centro de Oncologia Integrado – COI do Hospital Ana Nery. Teve como objetivo abordar questões relacionadas ao impacto do adoecimento oncológico, buscando analisar o papel da família e o choque deste diante do adoecimento, trazendo a importância do papel do psicólogo perante este processo de descoberta do adoecer na preparação para o enfrentamento. Para isto foi realizado um estudo de caso, com casos escolhidos através dos atendimentos realizados durante o estágio em psico-oncologia efetivado na instituição hospitalar. Foram selecionados dois casos, quais trazem o impacto que o adoecimento de câncer provoca no paciente e em sua família, o processo de reorganização que este exige do meio familiar e a importância do acompanhamento psicológico para ambos desde o momento da descoberta do adoecimento. A escolha por estes casos se deu devido o interesse despertado em aprofundá-los teoricamente. Serão abordadas questões relacionadas ao impacto do diagnóstico oncológico, tanto para o paciente quanto para sua família, qual também é impactada e passa por um processo de reorganização em seu meio. O diagnóstico oncológico vem carregado de estigma socialmente produzido, remete logo a finitude e por isso impacta não somente o paciente que é diagnosticado com a doença, mas também o seu meio familiar. O câncer exige cada vez mais tratamentos intensos, e isso faz com que os pacientes com diagnóstico passem por tratamentos longos, dolorosos e invasivos. A doença requer não somente do doente, mas faz com que os familiares também passem por um processo de reorganização diária. A doença de câncer é carregada de estigma, medos e incertezas. O impacto que causa no indivíduo diagnosticado e no meio familiar é muito intenso. Ambos passam por diferentes fases, da descoberta ao tratamento oncológico, tendo que saber lidar também com os conflitos que se deparam durante este processo.  Após será abordado o papel do psicólogo dentro da oncologia com os pacientes e seus familiares. O papel do psico-oncologista é de auxiliar o paciente e seus familiares no fortalecimento emocional para o enfrentamento das questões a cerca do adoecimento e tratamento. Junto com o diagnóstico surgem uma série de dúvidas, medos e incertezas, o profissional deve estar ali para dar as orientações precisas, escutar e trazer sobre aquele sujeito um olhar diferenciado, que acolhe e orienta, que busque regatar a essência do individuo, cuja muitas vezes se perde com o adoecimento.  A psico-oncologia tem papel fundamental no processo do tratamento, desde a descoberta do diagnóstico, durante o tratamento e até uma possível morte ou cura. O profissional mantendo entendimento da estruturação psíquica que movem pacientes e familiares irá trabalhar para o fortalecimento emocional no enfrentamento dos aspectos relacionados ao processo do adoecimento.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.