TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR (TDM) E TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA (TAG): UM ESTUDO DE CASO

Kelly Rodrigues de Oliveira, Marina Pante

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo apresentar um estudo de caso atendido pela primeira autora, estagiária da abordagem Cognitivo-Comportamental, da equipe de Psicologia de um serviço escola e supervisionado pela segunda autora. Essa análise foi realizada com base nos atendimentos semanais de psicoterapia individual e estudo dos prontuários. Todo o embasamento teórico foi fundamentado na Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC). A paciente tem 25 anos, é solteira e reside em uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, e a partir daqui será denominada ?Lara?, com o propósito de preservar a sua identidade. Lara está em atendimento num serviço escola desde o ano de 2017, encaminhada pelo núcleo de apoio acadêmico, por apresentar sintomas depressivos e automutilação. Atualmente faz uso de Fluoxetina 20 mg uma vez por dia. A partir do histórico da paciente, das questões apresentadas durante os atendimentos psicoterápicos, assim como o seu comportamento, podem-se citar como hipóteses diagnósticas Transtorno Depressivo Maior (TDM) em remissão parcial e Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). De modo que, alguns sintomas são apresentados com menor intensidade, porque a paciente faz uso de medicação já referida. Contexto familiar conflituoso, seus pais se separaram quando era adolescente, pois a mãe sofria violência doméstica e tentou o suicídio uma vez. Apresenta sentimento ambivalente em relação ao pai, de raiva e de ódio e, ao mesmo tempo, a falta de algo que não teve por parte da figura paterna (carinho, amor e atenção), não estabelece contato há anos como o pai, avós e irmãos paternos. Demonstra baixa habilidade social, tem dificuldades de estabelecer contatos com outras pessoas, preferindo o ambiente virtual. Relata que tem amigos apenas nas redes sociais, pois é mais cômodo e evita possíveis situações de exposição ou de ser ridicularizada. Na prática clínica da TCC são aplicadas técnicas cognitivas e comportamentais a partir do perfil do transtorno, a fase da terapia e a conceitualização cognitiva específica de um determinado caso. Com o propósito de identificar os pensamentos automáticos, reconhecer conexões entre esses pensamentos, afetos e comportamentos, testar a validade e substituir as distorções cognitivas e esquemas disfuncionais por interpretação mais realistas. Além de produzir mudanças nas atitudes do indivíduo e testar a validade de suas ideias de competências ou adequação. A técnica de psicoeducação foi utilizada desde o primeiro atendimento, em que foi explicado sobre o modelo cognitivo e, posteriormente, o modelo dos transtornos. Com o propósito de fazer com que a paciente começasse a identificar e analisar de forma consciente os seus pensamentos, emoções e comportamentos conflituosos e a construir respostas adaptativas em relação às distorções cognitivas, foi utilizado a técnica de Registro de Pensamentos Disfuncionais (RPD). Juntamente com esses métodos, utilizou-se o Questionamento Socrático, que é uma técnica cognitiva, que consiste em fazer questionamentos ao paciente para incentivar a curiosidade e o desejo de investigar, com o propósito de envolver o paciente no processo de aprendizagem. Diante das problemáticas apresentadas durante as sessões e as dificuldades de exercer as atividades no dia a dia foi proposta a técnica de Resoluções de problemas. E, para auxiliar nos momentos ansiogênicos, técnicas de manejo de ansiedade foram retomadas como Relaxamento Muscular Progressivo e Respiração Diafragmática, dentre outras.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.