QUÍMICA NA COZINHA: ELABORAÇÃO DE BOLO SEM FERMENTO OBSERVANDO AS REAÇÕES QUÍMICAS ENVOLVIDAS

Eveline Moura Calheiro

Resumo


Este trabalho apresenta o relato da aplicação de uma atividade lúdica para mostrar a química envolvida nos alimentos, especialmente no preparo de um bolo utilizando um processo de fermentação diferente a partir da disciplina Tecnologia dos Alimentos. A cozinha pode ser um laboratório de ensino desta ciência tão importante para o quotidiano com a finalidade de despertar o interesse dos estudantes por experiências químicas. Santos e Schnetzler (1996, p. 28) lembram que a função do ensino de química deve desenvolver a capacidade de tomada de decisão, o que implica a necessidade de vinculação do conteúdo trabalhado com o contexto social em que o aluno está inserido e, por isso, a relevância de situações de aprendizagem que emergem das próprias vivências dos estudantes. Este contexto permitiu realizar um bolo sem a adição de enzimas, considerado um experimento de fácil execução e com baixo custo. A atividade contou com a participação de um grupo de estudantes do oitavo ano da Escola Lindolfo Silva  RS. As enzimas são biocatalisadores utilizados nas indústrias podendo ser empregadas na biologia molecular e aplicações biomédicas (SANCHEZ &DEMAN, 2002), no desenvolvimento de metodologias analíticas, na fabricação de pães e bebidas. O fermento, ou as leveduras, atacam os açúcares da massa, transformando-os em dióxido de carbono (CO2). Durante o descanso da massa o gás formado dobra de volume, provocando o crescimento da massa. No entanto a combinação adequada dos ingredientes e temperatura dispensa a ação de fermentação biológica ou enzimática permitindo que ocorra o crescimento do bolo. De acordo com Schetzler e Aragão (1995), nós educadores precisamos nos sentir desafiados a fazer com que nossas aulas sejam um espaço constante de investigação.

Texto completo: Resumo

Apontamentos

  • Não há apontamentos.