Filantropo-capitalismo estadunidense e a agenda da saúde global: as fundações Rockefeller e Gates, passado e presente

Anne Emanuelle Birn, Judith Richter

Resumo


A Saúde Global, na contemporaneidade, é fortemente marcada por questões econômicas e geopolíticas que, frequentemente, colocam à prova os principais objetivos das Instituições responsáveis pela sua manutenção e manejo. De certo modo, tais questões sempre foram vistas de modo articulado, dada a história das agências responsáveis pela saúde em nível internacional. Assim, duas importantes Fundações – Rockefeller e Bill e Melinda Gates – tiveram/tem importante participação no redirecionamento das ações em Saúde e, principalmente, no que se refere às lógicas de investimento em saúde ligadas à filantropia. Partindo disto, neste texto, a partir de revisão bibliográfica e documental, são discutidas as participações das Fundações em diferentes momentos históricos e as questões emergentes daquilo que chamamos de filantropo-capitalismo. Neste sentido, problematizamos os meios pelos quais tais Fundações interferem na lógica da gestão pública e/ou privada da Saúde Global com o objetivo de alertar sobre a necessidade de atenção acerca das atuais ações e campanhas de saúde financiadas pelo setor privado. Destaca-se, principalmente a quantidade de investidas na indústria farmacêutica em detrimento da melhoria da qualidade de vida e do cumprimento dos direitos humanos fundamentais.

Palavras-chave


Geografia da Saúde, Saúde Global, Filantropia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/agora.v20i2.12366

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo