Precariedade Habitacional e Saúde Pública: Expressões da pandemia na vida de mulheres moradoras das periferias urbanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/agora.v23i2.16180

Palavras-chave:

Mulheres, Periferia, Covid-19

Resumo

Objetivo: Analisar o impacto das medidas de prevenção à COVID-19 no município de Santa Cruz do Sul/RS e seus efeitos sobre a vida das mulheres que residem na periferia urbana. Métodos: Pesquisa exploratória sobre indicadores sociais e de saúde de mulheres residentes em um município interiorano do Rio Grande do Sul, com análise empírica de dados secundários sobre trabalho, renda, escolaridade, faixa etária, situação habitacional e acesso a serviços públicos de mulheres responsáveis pelos domicílios, entre março e outubro de 2020. Observou-se que as mulheres são especialmente atingidas pelos reflexos da pandemia, por serem as principais responsáveis pelas atividades domésticas e de cuidados no âmbito familiar, representarem o maior contingente de trabalhadoras da área da saúde, possuírem relações empregatícias mais precárias e/ou informais e constituírem as principais vítimas da violência doméstica. Conclusão: As políticas públicas voltadas à proteção das mulheres devem ser fortalecidas durante e após o período de pandemia, visando enfrentar os riscos de violência e pauperização das famílias.

Biografia do Autor

Tuize Rovere, PPGDR/Unisc

Arquiteta e urbanista, mestra e doutoranda em Desenvolvimento Regional pelo PPGDR/UNSIC

Cláudia Tirelli, PPGDR/Unisc

Cientista Social, mestra e doutora em Sociologia.

Referências

Villaça F. Espaço Intra-Urbano no Brasil. São Paulo: FAPESP, 2001.

Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento (SNIS). 2017. [Citado 2020 nov 15]. Disponível em: <http://www.snis.gov.br/diagnostico-anual-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2017>.

Fundação João Pinheiro (FJP). Relatório Déficit Habitacional no Brasil. 2015. [Citado 2020 nov 13]. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.mg.gov.br/consulta/>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico. 2010. [Citado 2020 nov 11]. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/>.

Bianconi G. Maioria entre informais, mulheres têm lugar central na inédita renda emergencial. 2020. [Citado 2020 nov 9]. Disponível em: <http://www.generonumero.media/mulheres-renda-emergencial/>.

UN Women. COVID-19: Emerging gender data and why it matters. 2020. [Citado 2020 nov 2]. Disponível em: https://data.unwomen.org/resources/covid-19-emerging-gender-data-and-why-it-matters#vaw.

Marques E, Souza, MCL de, Hasselmann MH, Deslandes SF, Reichenheim ME. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cad. Saúde Pública; 36(4): 2020.

UN Women. Featured: The shadow pandemic – violence against women. 2020. [Citado 2020 nov 17]. Disponível em: <https://www.unwomen.org/es/news/in-focus/in-focus-gender-equality-in-covid-19-response>.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). 2020. O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda diante dos impactos da Covid-19. Nota Técnica 232; (2020 nov 10]. Disponível em: <https://www.dieese.org.br/notatecnica/2020/notaTec232ProgramaEmergencialGoverno/index.html?page=1>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). IBGE Cidades@Santa Cruz do Sul. 2020. [Citado 2020 nov 15]. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/santa-cruz-do-sul/panorama>.

Organização das Nações Unidas. Gênero e COVID-19 na América Latina e no Caribe: dimensões de gênero na resposta. ONU Mulheres Brasil. 2020.

Rovere TS, Souza MB. Epistemologia Feminista e Segregação Urbana: algumas considerações para pensar a violência contra as mulheres. Edunisc, (1); 276-291 p., 2020.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Indicadores de saúde: COVID-19. 2020. [Citado 2020 out 25] Disponível em: <https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/>.

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Coronavírus e a Covid-19. 2020. [Citado 2020 nov 05]. Disponível em: <https://ufmg.br/coronavirus>.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Indicadores sobre trabalho. 2020. [Citado 2020 out 25] Disponível em: <https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/trabalho.php>.

Fundação João Pinheiro (FJP). Observatório das Desigualdades: pobreza, substantivo feminino. Boletim n° 8, [Citado 2020 out 28]. Disponível em: <http://observatoriodesigualdades.fjp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/Boletim-8.pdf>.

Cohen SC, Bodstein R, Kligerman D, Marcondes W. Habitação saudável e ambientes favoráveis à saúde como estratégia de promoção da saúde. Ciências e Saúde Coletiva; 12 (1). 191-198 p. 2007.

Larocca M, Chastinet T. Estupros acontecem dentro de casa em 78% dos casos em São Paulo. 2020 jun 14. [Citado 2020 nov 16]. Disponível em: https://noticias.r7.com/sao-paulo/.

Velasco C, Grandin F, Caesar G, Reis T. Monitor da Violência: Assassinatos de mulheres sobem no 1º semestre no Brasil, mas agressões e estupros caem; especialistas apontam subnotificação durante pandemia [Internet]. [place unknown]; 2020 set 16. [Citado 2020 nov 16]. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/.

Sobral I, Pimentel A, Franco B, Marques D, Nascimento T. Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19. 2 ed.: Fórum Brasileiro de Segurança Pública; 2020.

Observatório do Desenvolvimento Regional (ObservaDR.). Projeto ObservaDR/Covid-19. 2020. [Citado 2020 out 28]. Disponível em: <http://observadr.org.br/portal/observadr-covid-19/>.

Hoff TSR. A cidade e a mulher: segregação urbana feminina em Santa Cruz do Sul/RS. [Dissertação].146 f. 2018.

Madariaga IS. Infraestructuras para la vida cotidiana y calidad de vida. Reciclar la ciudad; (8): 2004.

Muxí ZM. Reflexiones a las mujeres y el derecho a la vivienda desde una realidad con espejismos. Democracia e Desarrollo; 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Edição

Seção

Tema Livre