Inserção e Expansão do Agronegócio no Oeste da Bahia: A (re)produção das desigualdades no Território de Identidade da Bacia do Rio Grande-Bahia, no decênio 2000-20101

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/agora.v23i2.16307

Palavras-chave:

Território. Desigualdade. Agronegócio.

Resumo

RESUMO A delimitação do Território de Identidade da Bacia do Rio Grande, localizado no oeste do estado da Bahia, está atrelada, dentre outros fatores, à forte presença do agronegócio. A atividade agrícola moderna passou a ser desenvolvida em grande escala a partir da década de 1980, gerando grandes volumes de capitais que impulsionaram fluxos de pessoas atraídas pelos empregos advindos direta e indiretamente da atividade agroindustrial. Por outro lado, esse cenário de desenvolvimento econômico fomentado pela alocação de investimentos públicos e privados, por agentes hegemônicos nacionais e internacionais motivados pelo interesse do capital, contribuiu para agravar as desigualdades no tecido social que constituiu o território. As disparidades socioeconômicas evidenciadas pela concentração de renda foram constatadas nas pesquisas bibliográfica e documental realizadas para sustentar teoricamente a construção dos argumentos acima aludidos. Além disso, a coleta dos dados dos indicadores dos Censos Demográficos dos anos 2000 e 2010, no site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), asseveram as contradições presentes na (re)produção das desigualdades. Assim, os resultados desta pesquisa indicam que o Território de Identidade da Bacia do Rio Grande se constituiu, no recorte temporal em análise, enquanto espaço de geração de riqueza paralelo ao aprofundamento das disparidades socioeconômicas. PALAVRAS-CHAVE: Território. Desigualdade. Agronegócio.

Biografia do Autor

Joelia Silva dos Santos, IFBA

Licenciada em Geografia pela UNEB. Mestre em Planejamento Territorial pela UEFS. Docente do IFBA.

Referências

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Manuel Correia de. A questão do território no Brasil. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

ANDRADE, Manuel Correia de. Geopolítica do Brasil. São Paulo: Ática, 1989.

BAHIA 2000-2013. Organização de Ranieri Muricy Barreto. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2017. (Estudos - Estados brasileiros). Disponível em: <https://fpabramo.org.br/publicacoes/wp-content/uploads/sites/5/2017/05/Bahia-web.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2020.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA (CODEVASF). Plano Diretor para o Desenvolvimento do Vale do São Francisco: a industrialização da soja na região do Vale do São Francisco. Brasília: PLANVASF, 1989.

DIAS, Wilson José Vasconcelos et al. Territórios de identidade: um novo caminho para o desenvolvimento rural sustentável na Bahia. Feira de Santana: Gráfica Modelo, 2006.

ELIAS, Denise. Relações campo-cidade, reestruturação urbana e regional no Brasil. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA, 12., 2012, Bogotá. Anais do... Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2012. Disponível em: <http://www.ub.edu/geocrit/coloquio2012/actas/07-D-Elias.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2020.

FLORES, Pedro Maury et al. Análise multitemporal da expansão agrícola no município de Barreiras - Bahia (1988 - 2008). CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 7, n. 14, p. 1-19, ago., 2012.

FREDERICO, Samuel. As cidades do agronegócio na fronteira agrícola moderna brasileira. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, v. 1, n. 33, p. 5-23, jan./jul. 2011.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 32. ed. São Paulo: Companhia Editeis Nacional, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades.ibge. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/>. Acesso: 19 mar. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Total de pessoas por nível de instrução. Rio de Janeiro: IBGE, 2000-2010. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/apps/snig/v1/index.html?loc=0>. Acesso: 2 dez. 2020.

MENDONÇA, Jackson Ornelas. O potencial de crescimento da produção de grãos no Oeste da Bahia. Bahia Agrícola, v. 7, n. 2, abr. 2006.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD); INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA (IPEA); FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (FJP). Atlas de desenvolvimento humano do Brasil. Brasília: Atlas, 2013. Disponível em: <https://atlasbrasil.org.br/consulta/planilha>. Acesso: 12 nov. 2020.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD); INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA (IPEA); FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (FJP). Atlas de desenvolvimento humano do Brasil: consulta em tabela. Brasília: Atlas, 2000-2010. Disponível em: <https://atlasbrasil.org.br/consulta/planilha>. Acesso: 2 dez. 2020.

SANTOS, Clóvis Caribé Menezes dos. Espírito do capitalismo na ocupação dos cerrados da Bahia e do Piauí. Feira de Santana: UEFS, 2015.

SANTOS, Clóvis Caribé Menezes dos. Os cerrados da Bahia sob a lógica do capital. Rio de Janeiro, Revista IDeAS: Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, v. 2, n. 1, p. 76-108, jan./jun. 2008.

SANTOS FILHO, Antonio Muniz dos; RIOS FILHO, Jorge Ney Valois. A revalorização econômica do oeste Baiano a partir da expansão da agricultura moderna e o surgimento de um novo território: o município de Luís Eduardo Magalhães - BA. Revista Pegada, v. 9, n. 2, dez. 2008.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Edição

Seção

Tema Livre