Sementes Crioulas e a Formação dos Jovens do Campo na Efasc - Promovendo e fortalecendo a Agroecologia no Vale do Rio Pardo/RS

Autores

  • Diego Henrique Limberger UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL - UERGS, UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC
  • João Paulo Reis Costa

DOI:

https://doi.org/10.17058/agora.v23i2.16484

Palavras-chave:

Educação do campo, Sementes Crioulas, Transição Agroecológica, Pedagogia da Alternância, Agricultura Familiar

Resumo

O presente artigo tem como finalidade entender e identificar as implicações do Espaço de Sementes Crioulas, no processo formativo dos estudantes e nas suas práticas agroecológicas no meio sócio familiar no Vale do Rio Pardo de estudantes do terceiro ano e estagiários da Escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul. A pesquisa foi realizada por meio de um questionário semi estruturado para os jovens e família, que foi enviado por meio de aplicativo de mensagem devido a área de abrangência da escola ser de onze municípios, impossibilitando a pesquisa em presencial. Os participantes foram selecionados de modo aleatório respeitando o critério de um jovem por município, de preferência estagiário e no mínimo 30% porcento de meninas. Após os jovens responderem a sua parte do questionário, eles dialogaram com sua família e também elaboram as respostas pertinentes as questões encaminhadas para as mesmas. Das famílias e jovens entrevistados, todos acharam de suma importância o trabalho realizado sobre as sementes crioulas ao decorrer do processo de formação e também destacaram o resgate de vários saberes e costumes de produção e alimentação após seus filhos/as levarem sementes para multiplicarem, o que promoveu uma maior preocupação com a produção de alimentos para o autoconsumo e também a potencialização de técnicas agroecológicas, o que permite um caminho de maior autonomia produtiva produzindo as próprias sementes para a realização da transição agroecológica nas propriedades da agricultura familiar do Vale do Rio Pardo.

Biografia do Autor

Diego Henrique Limberger, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL - UERGS, UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC

AGROECOLOGIA, SEMENTES CRIOULAS

Referências

ALTIERI, Miguel, Agroecologia: bases cientificas para uma agricultura sustentável- 3ª edição,2012 – São Paulo, Rio de Janeiro Editora Expressão popular.

BARBOSA, V. L.; VIDOTTO, R. C.; ARRUDA, T. P.; Erosão Genética e Segurança Alimentar SICI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS, realizado na UNAERP – Campus Guarujá, Artigo, p.03, 2015.

BARBOSA. Willer Araujo. Por uma terra sem males: Um outro mundo é possível. Disponível em <: http://www.ufsm.br/lec/02_02/WillerLC8.htm>. Acessado em 06/01/2017.

BEVILAQUA, Gilberto A. Peripolli e et al. AGRICULTORES GUARDIÕES DE SEMENTES E AMPLIAÇÃO DA AGROBIODIVERSIDADE. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-118, jan./abr. 2014.

BEVILAQUA, Gilberto A. Peripolli e et al. Desenvolvimento in situ de Cultivares Crioulas através de Agricultores Guardiões de Sementes. Resumos do VI CBA e II CLAA. Rev. Bras. De Agroecologia/nov. 2009 Vol. 4 No. 2.

BOEF, W. S.; THIJSSEN, M. H.; OGLIARI, J. B.; STHAPIT, B. R. Biodiversidade, agricultura e conservação: conceitos e estratégias. Biodiversidade e agricultores: fortalecendo o manejo comunitário. Porto Alegre. L&PM Editores, 2007. Cap. 2, p 35-59.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. BORGES, Maristela Correa. A pesquisa participante: um momento da educação popular. Revista Educação Popular, Uberlândia, v. 6, p.51-62. jan./dez. 2007. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/19988>. Acesso em: 11 set. 2016.

CARPENTIERE-PÍPOLO, V.; SOUZA, A.; SILVA, D. A.; BARRETO, T. P.; GARBUGLIO, D. D.; FERREIRA, J. M. Avaliação de cultivares de milho crioulo em sistema de baixo nível tecnológico. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 32, n. 2, p. 229-233, 2010.

CASSOL, K, P.; WIZNIEWSKY, C, R, F.; Saberes Tradicionais E Sementes: O Caso Da Associação Dos Guardiões Das Sementes Crioulas De Ibarama/RS. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 10, n. 20, p. 246-275, jul., 2015.

COSTA, J. P. R. A construção da Articulação em Agroecologia do Vale do Rio Pardo – AAVRP: Possibilidades de resistência dos /as Agricultores/as Familiares na região do tabaco, pelas Práticas e Vivências da Agroecologia. Projeto de tese de doutorado em Desenvolvimento Regional. Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, 2016.

COSTA, João Paulo Reis. A articulação em agroecologia do Vale do Rio Pardo (AAVRP/RS): A agroecologia como possibilidade de existência e resistência na construção de Espaços de Esperança na região do Vale do Rio Pardo. 2019. 237 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional). UNISC; Santa Cruz do Sul. 2019.

Costa. J.P e Limberger. D. As Sementes (Crioulas) da vida. Artigo jornal Gazeta do Sul.

DAVIS, D. R. Declining fruit and vegetable nutrient composition: what is the evidence? FRANÇA, C.; GARCIA, L. Sementes Livres- Ações pela Soberania da Natureza. REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, Araraquara, v.8, n.2. p.01 2014.

GLIESSMANN, S.R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 4ª ed. 2008.

GOMES, Antonio Carlos. A operacionalização do mercado institucional de alimentos no contexto do Vale do Rio Pardo: o caso da cooperativa Leoboqueirense de agricultores familiares. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional). Universidade de Santa Cruz do Sul, 2014.

LIMBERGER, D.H. Sementes Crioulas – Constituição do Banco de Sementes e a Diversidade de Materiais Tradicionais do Vale Do Rio Pardo nas Comunidades de Atuação da Escola Família Agrícola de Santa Cruz Do Sul. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Relatório apresentado para obtenção do título de Tecnólogo em Horticultura. Santa Cruz do Sul, 2016.

MARCONI, A.; LAKATOS, E.M. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação dos dados. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MORETTI, Cheron Zanini. ADAMS, Telmo. Pesquisa Participativa e Educação Popular: epistemologias do sul. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 447-463, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/16999>. Acesso em: 11 set. 2016.

PALÁCIO FILHO, A. M.; ARAÚJO, D. V.; CAMPOS, G. P. A.; BORGES, J. M.; ANDRADE, L. P. Oficinas sobre uso de sementes crioulas – Incentivo para produção Agroecológica na região do Agreste Meridional de Pernambuco. Cadernos de Agroecologia, v.6, n.2, p.03, 2011.

PETERSEN, P.; DAL SOGLIO. F, K.; CAPORAL. F. P.; A construção de uma Ciência a serviço do campesinato. Revista Agriculturas: experiências em Agroecologia, Edição Especial. Ano 2009.

PLOEG, J. D. V. D. Camponeses e impérios alimentares: luta por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

PRATES. J. Material didáticos categorias da dialética. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Serviço Social. Metodologia III, outubro de 2000.

ROSSETO, O. C. Cultura e Sustentabilidade ambiental: desvelando caminhos teóricos. Revista Mato grossense de Geografia. Cuiabá: Editora Universitária, 2006, ano 11, nº 09. p. 9-28.

SEVILLA GUZMÁN, E. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável in Agroecologia -Princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília. Embrapa, 2005.

SILVA. M. H. B.; LOPES, K. P.; Importância da Semente na Agricultura Familiar no Nordeste Brasileiro. CONIDIS, I Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido – Diversidade: Aprender o Semiárido, no Semiárido e com o Semiárido.

UNEFAB – Histórico, 2005 – disponível em: http://www.unefab.org.br – acessado em 04/10/2018.

WANDERLEY, M. N. B. Raízes Históricas do Campesinato Brasileiro. In: TEDESCO, J.C. Agricultura Familiar: realidade e perspectivas. 3ª Ed. Passo Fundo: Editora da UPF, 2001, p.21-55.

ZAMBERLAN, J.; FRONCHETI, A. Agricultura ecológica: preservação do pequeno agricultor e do meio ambiente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. 214 p.

ZANETTI, C.; MENASCHE, R. Segurança alimentar, substantivo feminino: mulheres agricultoras e autoconsumo. In: MENASCHE, R. (Org.) A agricultura familiar à mesa: saberes e práticas da alimentação no vale do Taquari. Porto alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, p.130 – 141. 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Edição

Seção

Tema Livre