A Terra e a Gente que nela vivia antes dos Portugueses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/agora.v23i2.16673

Palavras-chave:

Brasil, História Regional, Indígenas

Resumo

Neste artigo se tem o propósito de rastrear a trajetória dos grupos humanos com que se depararam os descobridores portugueses em abril de 1500 a partir um enfoque que combina análise histórico-regional e perspectiva geopolítica. Trata-se de apontar pistas que indiquem quem era a gente encontrada pelos primeiros portugueses, de onde ela saiu, como ela chegou onde foi ‘descoberta’, como ela interagia com o meio físico, como, aliás, era esse meio físico nos tempos que antederam o encontro entre indígenas e portugueses, enfim, o que aconteceu à gente e à terra após o primeiro contato. A hipótese é de que havia uma enorme diversidade de povos e biomas, ou seja, a gente e a natureza eram variadas em grau significativo. Conclui-se postulando um compromisso com a redenção da gente que, desde o séc. XVI, vem padecendo as agruras da conquista que se baseie em recordação contínua e identificação afetiva.

Biografia do Autor

Ivo Marcos Theis, PPGDR/FURB

Economista, Ph.D. em Geografia Humana pela Eberhard-Karls Universität Tübingen (Alemanha), com Pós-Doutorados em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (2008) e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2017), docente-pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, da Universidade Regional de Blumenau

Referências

ABREU, João Capistrano de. Capítulos de história colonial, 1500-1800 (= Grandes Nomes do Pensamento Brasileiro). 7 ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Publifolha, 2000.

AZEVEDO, Marta Maria. Diagnóstico da população indígena no Brasil. Ciência e Cultura, 60 (40) p. 19-22, 2008.

BENJAMIN, Walter. “Über den Begriff der Geschichte”. In: TIEDEMANN, R.; SCHWEPPENHÄUSER, H. (Org.) Walter Benjamin: gesammelte Schriften. Frankfurt a.m.: Suhrkamp, p. 691-704, 1991.

CARDIM, Fernão. Tratado da terra e gente do Brasil (transcrição, introdução e notas de Ana Maria de Azevedo). São Paulo, Hedra, 2009.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

COSTA, Angyone. Introdução à arqueologia brasileira: etnografia e história. 4 ed. São Paulo: Ed. Nacional; INL/MEC, 1980.

COUTO, Jorge. A construção do Brasil: ameríndios, portugueses e africanos, do início do povoamento a finais de quinhentos. Lisboa: Ed. Cosmos, 1995.

DIAS, Adriana Schmidt. Um réquiem para Clovis. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, 14 (2), p. 459-476, 2019.

DILLEHAY, Tom D. Onde estão os remanescentes ósseos humanos do final do Pleistoceno? Problemas e perspectivas na procura dos primeiros americanos. Revista USP, N. 34, p. 22-33, 1997.

FAUSTO, Carlos. Entre o passado e o presente: mil anos de história no Alto Xingu. Revista de Estudos e Pesquisas, 2 (2), p. 9-51, 2005.

FERNANDES, Luiz E. O.; KALIL, Luís G. A. De onde vieram os índios? Os debates sobre o povoamento do continente americano no período colonial. In: BERTAZONI, C.; SANTOS, E. N.; FRANÇA, L. M. (Org.) História e arqueologia da América indígena: tempos pré-colombianos e coloniais. Florianópolis: Ed. UFSC, p. 295-308, 2017.

GALEANO, Eduardo. Espelhos: uma história quase universal. Trad. Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. “O índio no Brasil”. In: COSTA, Marcos (Org.) Sérgio Buarque de Holanda: escritos coligidos (livro I, 1920-1949). São Paulo: Ed. UNESP; Fund. Perseu Abramo, p. 93-173, [1940] 2011.

HUBBE, Mark; MAZZUIA, Estevan T. A.; ATUI, João P. V.; NEVES, Walter. A primeira descoberta da América. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 2003.

LAHR, Marta M. A origem dos ameríndios no contexto da evolução dos povos mongoloides. Revista USP, N. 34, p. 70-81, 1997.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Trad. R. Enderle; N. Schneider; L. C. Martorano. São Paulo: Boitempo, [1845-1846] 2007.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila M. F.; RODRIGUES-CARVALHO, Claudia; SILVA, Hilton P.; LOCKS, Martha. “Revisitando a discussão sobre o Quaternário de Lagoa Santa e o povoamento das Américas: 160 anos de debates científicos”. In: RODRIGUES-CARVALHO, Claudia; SILVA, Hilton P.; LOCKS, Martha (Org.) Nossa origem: o povoamento das Américas (visões multidisciplinares). Rio de Janeiro: Vieira & Lent, p. 19-43, 2006.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A construção original do território americano. Revista USP, N. 12, p. 8-15, 1992.

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Trad. Sérgio Milliet. 3 ed. São Paulo: Abril Cultural, p. 100-106 [capítulo XXXI, “Dos canibais”], 1984.

NEVES, Walter A.; ZANINI, Maria do Carmo; MUNFORD, Danusa; PUCCIARELLI, Héctor M. O povoamento da América à luz da morfologia craniana. Revista USP, N. 34, p. 96-105, 1997.

NEVES, Walter A.; PROUS, André; GONZÁLEZ- JOSÉ, Rolando; KIPNIS, Renato; POWELL, Joseph. Early Holocene human skeletal remains from Santana do Riacho, Brazil: implications for the settlement of the New World. Journal of Human Evolution, 45 (1), 19-42, 2003.

POSTH, C. et al. Reconstructing the deep population history of Central and South America. Cell, N. 175, p. 1185-1197, 2018.

PROUS, André. Arqueologia brasileira. Brasília: Ed. UnB, 1992.

PROUS, André. O povoamento da América visto do Brasil: uma perspectiva crítica. Revista USP, N. 34, p. 8-21, 1997.

PROUS, André. O Brasil antes dos brasileiros: a pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

RIBEIRO, Darcy. Brasil: terra dos índios. In: FERRAZ, Isa G. (Org.) Darcy Ribeiro: utopia Brasil. São Paulo: Ed. Hedra, p. 59-74, 2008.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Sobre as línguas indígenas e sua pesquisa no Brasil. Ciência e Cultura, 57 (2), p. 35-38, 2005.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas indígenas brasileiras. Brasília/DF: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB, 2013. 29p. Disponível em: <http://www.laliunb.com.br>. Acesso em: 26 agosto 2019.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. A originalidade das línguas indígenas brasileiras. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, 8 (2), p. 187-195, 2016.

SALZANO, Francisco M. As origens extracontinentais dos primeiros americanos: as evidências dos sistemas genéticos clássicos. Revista USP, N. 34, p. 34-43, 1997.

SMITH, David Michael. “Counting the dead: estimating the loss of life in the indigenous holocaust, 1492-present”. In: SPENCER, Mark B. (Org.) Representations and realities: proceedings of the twelfth Native American Symposium. Durant: Southeastern Oklahoma State University, p. 7-17, 2017.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil: primeiros registros sobre o Brasil. Trad. Angel Bojadsen. Porto Alegre: L&PM, 2014 [1556].

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. Trad. Beatriz Perrone Moisés. 4 ed. São Paulo: Ed. WMF Martins Fontes, 2010.

TOHVER, E.; TRINDADE, R. I. F.; SOLUM, J. G.; HALL, C. M.; RICCOMINI, C.; NOGUEIRA, A. C. Closing the Clymene ocean and bending a Brasiliano belt: evidence for the Cambrian formation of Gondwana, southeast Amazon craton. Geology, 38 (3), p. 267-70, 2010.

VESPUCCI, Amerigo. Novo mundo: as cartas que batizaram a América (= Coleção biblioteca básica brasileira; 38). Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro, 2013.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Edição

Seção

Tema Livre