Influência da Infraestrutra na Incidência de Infecções Relacionadas à Assistência em um Hospital Universitário

Autores

  • Gabriella Martins Soares Universidade Federal do Amazonas - UFAM

DOI:

https://doi.org/10.17058/jeic.v1i1.13307

Palavras-chave:

Infecção Hospitalar, Controle de Infecções, Segurança do Paciente.

Resumo

Justificativa e Objetivos: A infraestrutura hospitalar é regulada pela RDC nº 50/2002, da ANVISA. Esta norma visa garantir parâmetros mínimos para a prevenção de danos aos trabalhadores da saúde e pacientes, como as Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS). Com o objetivo de analisar a ocorrência de IRAS em pacientes internados em hospital, comparou-se os períodos de funcionamento em um prédio antigo (inadequado às normas vigentes) e em um prédio novo, construído conforme as normatizações. Métodos: A amostra compreendeu 1.240 notificações de IRAS de pacientes de 2015 a 2017. Sendo que em 2015 e 2016 o hospital funcionava no prédio antigo e em 2017 no prédio novo. As notificações em fichas de busca ativa e fonada, foram utilizadas para a coleta de dados e análise estatística. Resultados: A frequência mensal de IRAS em 2015 variou de 28 a 63 casos; em 2016, de 0 a 79; em 2017, de 0 a 74. A prevalência em 2015 foi de 3,9 a 8,3; em 2016, de 0 a 23,3; em 2017, de 0 a 2,7. A incidência foi de 9,5 a 20,4/1000 pacientes em 2015; de 0 a 27,4/1000 em 2016; de 0 a 27,4/1000 em 2017. Conclusão: não houve diferenças estatisticamente significativas no período analisado. Embora possa contribuir para evitar infecções, a infraestrutura física não parece determinante para a ocorrência das infecções.

Biografia do Autor

Gabriella Martins Soares, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

graduação em enfermagem

Publicado

2020-01-11

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL